0

Angelina Jolie revela que passou por dupla mastectomia

14 mai 2013
08h52

A americana Angelina Jolie, uma das atrizes mais famosas do mundo, casada com o ator Brad Pitt, revelou que passou por uma dupla mastectomia preventiva para reduzir o risco elevado de câncer.

Em um artigo com o título "Minha opção médica" publicado no jornal New York Times, a atriz de 37 anos explica que decidiu passar pela operação porque tem uma mutação genética que aumenta o risco de câncer.

Em seu caso, a mutação genética, conhecida como BRCA1, representava 87% de possibilidades de desenvolver um câncer de mama e 50% de padecer um câncer de ovários.

A mãe de Angelina Jolie morreu de câncer aos 56 anos.

"Quando soube qual era minha situação, optei pela prevenção para minimizar o risco o máximo possível. Tomei a decisão de submeter-me a uma dupla mastectomia preventiva", explica Jolie no artigo.

"Comecei com os seios porque meu risco de ter câncer de mama é maior do que o de ter câncer de ovário, e a operação é mais complexa", afirma.

No dia 27 de abril a atriz concluiu os três meses de preparação para a operação, depois da qual seu risco de ter câncer de mama é de apenas 5%.

Jolie, que teve três filhos com Brad Pitt e adotou outros três, afirma que está muito melhor depois da cirurgia.

"Posso dizer a meus filhos que não devem ter medo de me perder por culpa de um câncer de mama", escreve.

Conhecida por ter interpretado a heroína dos jogos eletrônicos Lara Croft no cinema, Angelina Jolie, que nos últimos anos também estreou na direção, explica em detalhes o processo cirúrgico de várias etapas, a principal delas uma operação de oito horas para retirada do tecido mamário e a substituição por implantes temporários.

"Você levanta com tubos de drenagem e extensores nos peitos. Parece uma cena de um filme de ficção científica. Mas alguns dias depois da operação, você pode voltar à vida normal", recorda.

A etapa final do processo implica na reconstrução das mamas com implantes.

"Aconteceram muitos avanços neste procedimento nos últimos anos e os resultados podem ser muito bonitos", indica.

A atriz também ressalta que Brad Pitt foi um grande apoio durante todo o processo.

"Brad esteve no Pink Lotus Breast Center, onde fui tratada, durante cada minuto das cirurgias", afirma Jolie, e "conseguimos encontrar momentos para rir juntos".

"Sabíamos que era o melhor que podíamos fazer para nossa família e que nos uniria ainda mais. E foi assim que aconteceu".

A operação deixou apenas pequenas cicatrizes, que não devem provocar uma forte impressão nos filhos, conta Jolie.

"Pessoalmente não me sinto menos mulher. Me sinto mais forte e tomei uma decisão importante que não diminui em nada a minha feminilidade", completa.

Angelina Jolie, uma das atrizes mais bem pagas do mundo, lamenta que o teste para detectar a mutação genética BRCA1, assim como a BRCA2, custe mais de 3.000 dólares nos Estados Unidos, "um obstáculo para muitas mulheres".

Também espera que seu caso sirva de exemplo para outras mulheres com risco de câncer.

"Se escrevo agora sobre isto é porque espero que outras mulheres possam beneficiar-se de minha experiência".

"A vida está cheia de desafios. Os que não devem nos dar medo são os que podemos enfrentar e podemos controlar", conclui.

"É uma mulher corajosa", afirmou o chanceler britânico, William Hague, que trabalhou nos últimos meses com Jolie, enviada especial do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur), para colocar na agenda política o problema da violência sexual nos conflitos.

Hague e Jolie visitaram Ruanda e a República Democrática do Congo em março e uniram esforços na reunião do mês passado dos ministros das Finanças do G8 para obter a promessa de ação contra o uso do estupro como arma de guerra.

"É uma mulher muito corajosa, uma mulher muito profissional. Trabalhou muito comigo nos últimos meses e viajou comigo por alguns lugares difíceis no Congo", disse Hague ao canal Sky News Television.

"Não deu nenhum sinal de que estava sendo submetida a tal tratamento. É uma mulher muito corajosa não apenas para seguir adiante com seu trabalho durante tal tratamento, mas também agora, ao escrever e falar sobre isto. É uma mulher muito corajosa e será uma inspiração para muitos", completou.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

publicidade