Bem-estar

publicidade
12 de janeiro de 2014 • 17h42

Medo pode ser passado de pais para filhos e netos, diz estudo

Testes em laboratório mostraram que situação traumatizante provoca alterações no esperma
Foto: Getty Images

Pesquisadores da Emory school of Medicine, na Geórgia, descobriram que o medo pode ser transmitido dos pais para as duas gerações seguintes. Os testes foram feitos em ratos e mostraram que se os animais são ensinados a temer algo, isso provoca alterações químicas no esperma. As mudanças influenciam no cérebro dos filhos e netos, levando-os a sentir o mesmo temor. As informações são do Daily Mail.

Se o funcionamento citado for válido para seres humanos poderia mudar completamente a maneira como encaramos o comportamento do adulto, e a forma para tratar doenças como o transtorno de estresse pós-traumático. “Saber como as experiências dos pais influenciam seus descendentes ajuda a compreender transtornos psiquiátricos que podem ter base transgeracional e a planejar estratégias terapêuticas”, afirmou o psiquiatra e professor de ciências comportamentais Kerry Ressler.

Durante o estudo, os ratos foram ensinados a associar o cheiro de flor de cerejeira a um leve choque elétrico. Depois de um curto período de tempo, os camundongos reagiram com medo, mesmo expostos apenas ao cheiro. Os filhos dos ratos, quando submetidos apenas ao cheio, também sentiram medo, mesmo sem levar o choque.

Os experimentos também mostraram que a informação pode ser transmitida através da mãe, e que afeta as crianças se são concebidas naturalmente ou através de tratamento de fertilização in vitro. A pesquisa concluiu que experiências ancestrais influenciam o comportamento das pessoas, principalmente se os pais tiverem passado por uma experiência traumatizante, como uma zona de guerra. 

Terra