0

Corpo leva até dois dias para se adaptar ao novo horário

17 fev 2014
06h11
atualizado em 26/2/2014 às 11h32
  • separator
  • 0
  • comentários

No primeiro dia útil sem o horário de verão, o corpo tende a estranhar um pouco a alteração no relógio e apresenta reações como insônia e indisposição, fatores que pesam a quem tem que levar o trabalho com pique até o final do expediente. Apesar do inconveniente, a adaptação tende a ser rápida, sem comprometer a saúde.

Por isso, pode ficar tranquilo, pois em, no máximo, dois dias, seu pique estará renovado. "O nosso organismo possui um marcador cronobiológico e a luz é um dos marcadores desse ritmo. O que é muito comum ocorrer é de algumas pessoas sentirem dificuldades para dormir", informa Rosana Cardoso Alves, neurofisiologista clínica e médica sênior do Centro do Sono Fleury Medicina e Saúde.

A especialista também aponta que o incômodo sentido tem estreita relação com o estilo de vida de cada indivíduo. "Aqueles que sofrem de insônia, ou então os que são matutinos - acordam cedo ou dormem pouco -, são os que mais sentem esta troca de horário. Por outro lado, aqueles que têm o costume de acordar tarde são os que menos têm dificuldade com a mudança", explica Rosana.

Além desses dois fatores ligados ao físico, também pode pesar a questão psicológica, já que muita gente tem a luz como referência para realizar suas atividades e só consegue repousar ou descansar quando escurece.

Adaptação
Para quem não se habitua com facilidade à alteração nos ponteiros, a luz artificial pode se tornar uma grande aliada. "Quem tem dificuldade para dormir ou problema durante o sono, agravados pelo fim do horário de verão, pode deixar a lâmpada acesa por um pouco mais de tempo à noite, pois essa ação contribui para uma adaptação melhor", indica.

Para não perder o ritmo nos primeiros dias do horário convencional e dormir um pouco mais tarde, outra dica prática é fazer exercícios físicos e consumir alimentos com cafeína, pois eles estimulam o corpo e, consequentemente, permitem ir para a cama mais tarde.

Fonte: Agência Hélice
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade