0

Carne vermelha pode aumentar o risco de câncer, diz estudo

  • separator
  • comentários

Cientistas alertam que os altos níveis de ferro presentes na carne vermelha podem aumentar o risco de câncer no intestino, segundo informa o jornal britânico Daily Mail . O ferro pode desencadear o processo da doença por meio de um gene defeituoso neste órgão.

O ferro presente na carne vermelha pode desencadear o processo da doença por meio de um gene defeituoso no intestino, diz novo estudo
O ferro presente na carne vermelha pode desencadear o processo da doença por meio de um gene defeituoso no intestino, diz novo estudo
Foto: Getty Images

Confira o mapa de câncer no Brasil

Em experimentos com ratos, pesquisadores concluíram que a suscetibilidade a este tipo de câncer é fortemente influenciada tanto pelo ferro, quanto por um gene chamado APC. Quando este gene é defeituoso, os ratos com alta ingestão de ferro se mostraram de duas a três vezes mais propensos a desenvolver a doença.

Ratos mantidos com uma dieta pobre em ferro mantiveram-se livres da doença mesmo quando o gene era defeituoso, mas quando ele funcionava normalmente, altos níveis de ferro não fizeram mal nenhum. Eles também descobriram que o ferro pode aumentar o número de células no intestino com essa deciência. “Quanto mais há células desse tipo no intestino, maior a chance de uma delas se tornarem o ponto de partida do câncer.

Para o professor Owen Sansom, do Cancer Research UK Institute, este foi um grande passo no entendimento sobre a formação de câncer no intestino. “O gene APC é defeituoso em cerca de oito a dez casos de câncer de intestino, mas até agora não sabíamos como isso causa a doença. Ficou claro que o ferro desempenha um papel crítico no controle do desenvolvimento da doença”, afirmou.

A cada ano, mais de 41 mil pessoas são diagnosticadas com este tipo de doença no Reino Unido, e 16 mil morrem pela causa. Pesquisadores estimavam que a carne vermelha contribui em cerca de 17 mil casos por ano. A nova descoberta pode ajudar no desenvolvimento de novos tratamentos que possam “limpar” o ferro no intestino de pessoas que desenvolvem células afetadas por este gene defeituoso.

Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade