4 eventos ao vivo

Cólica menstrual não é “mimimi”, diz ginecologista

Campanha publicitária com Preta Gil causou polêmica ao comparar cólica menstrual a “frescura”

11 jun 2015
15h06
atualizado às 15h08
  • separator
  • comentários

A campanha publicitária do analgésico Novalfem, que tem a cantora Preta Gil como garota-propaganda, causou polêmica ao sugerir que o produto pode acabar com o “mimimi” das cólicas menstruais. Muitas pessoas criticaram o suposto menosprezo do vídeo “#SemMiMiMi” ao incômodo feminino, já que a expressão indica “frescura” ou “reclamar de algo sem importância”. O ginecologista e obstetra Alfonso Massaguer, especialista em reprodução humana e diretor da Clínica Mãe, também não concorda com a comparação. “Cólica menstrual é algo de grande importância. Muitas mulheres ficam caladas porque acham que faz parte da vida normal e é um baita erro. Gera desconforto e prejuízo, e precisa ser tratada”, disse ao Terra .

Siga Terra Estilo no Twitter

A dor pélvica relacionada ao período menstrual leva o nome de dismenorreia e estima-se que metade das mulheres a tem. “Dependendo do momento da vida, a mulher pode ter ou não. Se for levar em conta toda a vida de uma mulher, esse número será maior”, disse Massaguer.

Quando o problema é primário, não está relacionado a uma doença e é causado pelo aumento da produção de prostaglandinas pelo útero, o que provoca contrações uterinas excessivas e fecha alguns vasos, sendo que a falta de irrigação no tecido gera dor. A secundária está ligada a patologias - como endometriose, mioma, pólipo, infecção e alguma alteração anatômica – e, quando se trata a causa, a grande maioria melhora.

Na primária, recomenda-se controlar o peso e fazer exercício físico, que libera endorfina e, assim, ajuda a lidar melhor com a dor. Usar bolsa de água quente e apostar em alimentos que beneficiam o intestino (frutas, legumes, verduras, água) também é válido. “Quando o intestino funciona melhor, ajuda a diminuir a dor e os sintomas pré-menstruais e menstruais, como inchaço”, explicou o ginecologista. O médico também pode indicar um método anticoncepcional hormonal (pílula, adesivo, injeção, anel vaginal), que evita a ovulação, reduz a quantidade de sangue eliminado e o tempo de menstruação.

"Cólica menstrual é algo de grande importância. Muitas mulheres ficam caladas porque acham que faz parte da vida normal e é um baita erro. Gera desconforto e prejuízo", diz ginecologista
"Cólica menstrual é algo de grande importância. Muitas mulheres ficam caladas porque acham que faz parte da vida normal e é um baita erro. Gera desconforto e prejuízo", diz ginecologista
Foto: iStock

O ginecologista Massaguer faz questão de tranquilizar quem lança mão de remédios específicos para aliviar a dor e tem receio de se viciar ou causar danos ao organismo. “Os remédios para cólica não geram nenhum tipo de vício, abuso ou dano. Com certeza, o dano da dor propriamente dita é pior que um potencial dano desses remédios”, afirmou. “O mais importante entender é que quebrar o início da dor é muito mais fácil do que quebrar a dor instalada. O tratamento mais eficaz ocorre no início da dor, não se deve esperar que fique forte para se medicar”, finalizou.

Vale acrescentar que a agência  Publicis Brasil, responsável pela campanha criticada, esclareceu em sua página no Facebook. “Nosso objetivo com a campanha de Novalfem é ajudar as mulheres que sentem dores leves e moderadas a conseguir manter a rotina e aliviar o desconforto, usando um tom leve para falar de um assunto sério. Em nenhum momento, tivemos a intenção de minimizar as dores das mulheres ou de ofender quem sofre com doenças e problemas mais graves, para os quais a consulta a um médico é sempre aconselhada”, escreveu.

Ponto a Ponto Ideias

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade