Doenças e Tratamentos

publicidade

Dores de cabeça: saiba os tipos, as causas e como combater

As causas podem estar na ingestão de álcool e alimentos, outros problemas de saúde e principalmente em momentos de tensão
Foto: Getty Images

Dores de cabeça estão entre os problemas de saúde mais comuns. Segundo dados médicos em todo o mundo, 40% das pessoas sofrem pelo menos de uma dor aguda na região por ano. As causas podem estar na ingestão de álcool e alimentos, outros problemas de saúde e principalmente em momentos de tensão, já que 90% dos casos esporádicos resultam de estresse.

A dor não está no cérebro. O desconforto pode atingir qualquer parte da cabeça, desde a pele, músculos, veias, dentes e terminações nervosas. Se chegar até as células cerebrais é porque não se trata de dor e, sim, de um problema mais sério. Um bom diagnóstico precisa levar em consideração as características da dor, que pode ser latejante, como se fosse uma pressão ou uma pontada, sua intensidade, a área afetada, frequência e duração.

Os tratamentos mais comuns envolvem o uso de analgésicos, mas também podem ser indicadas outras terapias, como meditação, massagem, técnicas de relaxamento e psicoterapia. Se as dores são acompanhadas de outros sintomas, como náuseas ou quadros mais sérios, como febre, as causas podem chegar até a derrames ou tumores, portanto, nunca dispense uma boa avaliação médica. Febre pode indicar meningite, perda de visão e pescoço rígido estão associados a casos de trombose.

Conheça os tipos mais comuns, saiba as mais recentes descobertas da ciência e aprenda a combater o problema.

Dor de cabeça de tensão
Atinge 90% das pessoas esporadicamente e pode ser resultado de noites mal dormidas, estresse, até mesmo pelo fato de não encontrar a carteira pela manhã e ter chegado atrasado ao trabalho. Essa dor é difusa, no alto da cabeça e na testa, segundo informações do Instituto de Neurociência e Neurocirurgia de Liverpool, na Inglaterra. O consumo de álcool e de cafeína também podem ser causadores. Um médico pode receitar um remédio apropriado para ser ingerido durante as crises.

Cefaleia em salvas
Dor forte que atinge a região sobre o olho e é sentida em apenas um lado da cabeça, dura entre 15 minutos e uma hora, desaparece, mas volta um dia depois. Esse quadro pode continuar por semanas e não se repetir em intervalos maiores, até meses. Não se sabe as causas exatas do problema, mas álcool e fumo, além de alimentos com muitos conservantes, estão entre os itens a serem evitados. Mudança de pressão no ar, principalmente devido a viagens de avião, e aumentos na temperatura também são apontados como causas comuns. Olhos podem ficar lacrimejantes e ocorrer corrimento nasal. Pacientes que sofrem desse tipo de dor reclamam da falta de eficiência dos remédios geralmente tomados. Há alternativas injetáveis e até mesmo em spray que podem ser ministradas.

Enxaqueca
Geralmente acomete um dos lados da cabeça e costuma durar horas. Em alguns casos, até dias. Quem sofre desse tipo mais severo fica sensível à luz e a barulhos. Uma em cada cinco pessoas que sofre de enxaqueca apresenta visão alterada e pode enxergar as coisas embaçadas. O tratamento deve ser feito com remédios, sempre prescritos por um médico, e compressas, quentes ou frias, no pescoço também podem ajudar.

Problemas oculares
A cefaleia que advém dessa região geralmente caracteriza-se por uma dor chata em cima dos olhos e na fronte, que aparece somente após os esforços visuais. As principais causas são as ametropias (hipermetropia e astigmatismo) não corrigidos com óculos ou lentes de contato. Alguns tipos de enxaquecas também podem trazer alterações visuais como embaçamento transitório, escotomas (bolas cintilantes na visão), perda transitória de campo visual etc. Estes sintomas são chamados de aura e precedem a crise enxaquecosa. "A cefaleia causada pelas ametropias é prevenida com o uso de óculos adequados nos momentos de esforço visual. As enxaquecas devem ser tratadas pelo neurologista", disse André Pamplona, oftalmologista do Hospital Bandeirantes.

Sinusite
A dor de cabeça acontece quando aparece um quadro de sinusite aguda, que é a inflamação dos seios da face. Geralmente a dor acontece na região onde o seio está acometido. Se a sinusite for do seio maxilar, a dor de cabeça vai aparecer na maçã do rosto, abaixo dos olhos, de um lado ou de outro, ou dos dois lados. Junto com a dor de cabeça, aparecem geralmente sintomas nasais, como entupimento, secreção, coriza clara ou amarelada.

Dor causada por toxinas
Segundo a nutricionista Andréa Santa Rosa, membro da Sociedade Brasileira de Nutrição Funcional, cada um possui uma individualidade bioquímica, por isso a suscetibilidade a determinado alimento varia de acordo com a pessoa. "A que apresenta dificuldades de eliminar toxinas, pela ação do fígado, através do suor, urina ou fezes, tende a ter maiores crises de dores de cabeça. Essas toxinas não são eliminadas, modificando as estruturas celulares e conseguindo atravessar a barreira cerebral causando a dor. Os alimentos capazes de desencadear a enxaqueca possuem em sua composição substâncias que podem provocar alterações no calibre dos vasos sanguíneos do encéfalo, primeiramente diminuindo-os e em seguida aumentando-os. São essas alterações do diâmetro das veias que provocam mudanças na visão e dores de cabeça, ou a enxaqueca clássica", explicou a especialista.

Alimentos
Os alimentos por si só não causam dores de cabeça. Apenas podem desencadear o problema em pessoas predispostas, principalmente nas que sofrem de enxaqueca. "O conteúdo e tipo de gordura influenciam no surgimento dos sintomas assim como o teor de tiramina (um aminoácido) existente nos alimentos", afirmou nutricionista Andréa Santa Rosa. Segundo estudos, 30 mg de aspartame por dia aumentam em 9% as chances de enxaqueca em pessoas predispostas. O jejum prolongado é considerado um comportamento alimentar que também pode desencadear o problema.

Açúcar e café
Pessoas que apresentam crises frequentes de dores de cabeça devem evitar o consumo excessivo de doces e bebidas, como café. No caso do açúcar, os níveis glicêmicos do sangue sobem e caem muito rápido e fazem com que o organismo utilize outros mecanismos para manter os níveis de glicose cerebral. Um deles é o aumento da produção de catecolaminas (gerando vasoconstrição dos vasos sanguíneos), que tem como consequência o aumento da frequência cardíaca, da temperatura, irritabilidade e a produção de prostaglandinas que causam vasodilatação e, por consequência, a enxaqueca. No caso do café, o problema reside na cafeína, que também está presente no chá-mate, guaraná, cacau e chocolate. Tem ação vasodilatadora nos vasos sanguíneos do corpo e ação vasoconstritora dos vasos sanguíneos do cérebro.

Itens a serem evitados
Segundo as nutricionistas Andrea Santa Rosa e Rosemeire da Silva, da clínica Alfa Plástica, algumas substâncias são reconhecidas por desencadear crise de dores de cabeça. A tiramina, presente em queijos amarelos, chocolates, vinagre, bebidas alcoólicas, iogurtes, lentilha, amendoim, sementes, em algumas frutas, como abacate, banana e frutas cítricas, é uma delas. Alimentos processados, embutidos, industrializados e em conserva possuem substâncias como o glutamato monossódico, que inibe as células cerebrais de absorve a glicose, desencadeando a dor. Ainda existe o nitrit, um conservante que possui ação vasodilatadora que pode causar cefaleia. "O glutamato é muito usado na cozinha chinesa o que levou à criação da expressão 'síndrome do restaurante chinês'", explica Rosemeire da Silva.

Ressaca
Um dos sintomas do excesso de consumo de álcool é a dor de cabeça. Pode durar até 24 horas e é causada pela desidratação, queda nos níveis de açúcar no corpo e dilatação das veias na cabeça. A dor pode aparecer depois, mesmo se não houve quadro de embriaguez, portanto, para evitar é recomendado maneirar nas doses e beber água alternadamente.

Dores persistentes
Um estudo realizado pela Faculdade de Medicina de Warwick, e divulgado pelo observatório para assuntos de saúde Nice, aponta que pessoas que consomem remédios para dores com frequência acabam tendo mais crises de dores de cabeça, principalmente se os ingeridos são aspirina, ibuprofeno e paracetamol. Os medicamentos tornam o cérebro mais sensível a dores, intensificando o problema e colocando o paciente num círculo vicioso. As recomendações derivadas do levantamento apontam para a busca de diagnósticos mais detalhados e para o uso de remédios ou tratamentos alternativos, incluindo inalação ou mesmo acupuntura.

"Existem tratamentos eficientes para tipos comuns de dores de cabeça. Mas tomar remédios mais do que 15 ou 10 dias no mesmo mês provoca dor de cabeça por conta do excesso de medicação, gerando um outro problema de saúde", disse o médico Martin Underwood, da faculdade que realizou o estudo, ao jornal inglês Daily Mail.

Enxaqueca abdominal
Existe um tipo de dor que é sentida no estômago e não na cabeça e geralmente afeta crianças, cujos pais têm histórico de dores de cabeça. Para que um adulto possa identificar o quadro, especialistas indicam que a dor vem acompanhada de vômitos, círculos escuros ao redor dos olhos e falta de apetite. Pode durar de uma hora a três dias. Afeta adultos também, mas em menor número.

Estresse e ansiedade
Duas palavras bastante empregadas para descrever o perfil de adultos e também de crianças podem explicar as causas de dores de cabeça na infância, queixa de 10% das crianças que vão às creches ou estão no jardim de infância e de 50% daquelas que frequentam o curso primário. O fator emocional é a principal causa do problema, embora ele também seja ocasionado pelo uso exagerado do computador, pelas diversas horas destinadas ao videogame e à televisão, às poucas horas de sono, problemas de vista, alimentação desequilibrada (muito açúcar, café, chocolate, massas e gorduras) e ambientes em que há fumantes.

“Quando uma criança reclama de dor de cabeça, devemos escutá-la com atenção. Pode ser que a dor esteja relacionada com problemas físicos ou emocionais, pode até ser um sintoma de uma doença grave. Portanto, para obter um diagnóstico preciso sobre a causa do distúrbio é necessário recorrer primeiro ao médico pediatra, que, se achar necessário, encaminhará o paciente a um neurologista”, afirma Francisco Lembo Neto, coordenador da Pediatria do Hospital Leforte, do Grupo Saúde Bandeirantes, de São Paulo.

Perfumes
Aromas fortes podem causar dores de cabeça. Isso acontece porque fragrâncias ativam células nervosas no nariz, associadas a sensação de dor. Pessoas que sofrem de enxaquecas podem ter o problema iniciado por um cheiro. E é recomendado que se mantenha um diário de fragrâncias aos quais a pessoa foi exposta para saber quais os aromas perigosos.

 

 

Ponto a Ponto Ideias