Doenças e Tratamentos

publicidade
16 de maio de 2013 • 11h11 • atualizado às 11h29

Médica de Angelina Jolie conta detalhes da mastectomia da atriz

Kristi Funk contou que a estrela fez três procedimentos; um deles usou pele de cadáver para otimizar a aparência

'Minhas chances de ter câncer de mama caíram para 5%', diz JolieClique no link para iniciar o vídeo
'Minhas chances de ter câncer de mama caíram para 5%', diz Jolie
 

A mãe de Angelina Jolie teve câncer de mama e morreu de câncer no ovário e a avó da atriz também enfrentou a doença no sistema reprodutor. São fortes evidências do risco genético que levou a atriz a remover as duas mamas para tentar evitar o problema, explicou a médica de Angelina nesta quarta-feira (15). A médica tratou Angelina no Pink Lotus Breast Center, em Beverly Hills, e detalhou os cuidados com a famosa no site do centro de tratamento. 

Angelina é modelo de coragem, diz mastologistaClique no link para iniciar o vídeo
Angelina é modelo de coragem, diz mastologista

No site do centro de cirurgia, Kristi descreveu as três operações enfrentadas por Angelina Jolie, que foram feitas na região abaixo da mama. O ator Brad Pitt acompanhou cada um dos procedimentos, segundo a médica.

No dia 2 de fevereiro, a atriz passou por uma cirurgia para preservar os mamilos, geralmente removidos quando é feita a mastectomia para tratar o câncer de mama. Metade da pele foi levantada a partir da superfície do tecido da mama e um pequeno disco de tecido foi retirado para avaliação.

O exame provou que a atriz estava saudável e, no dia 16 do mesmo mês, ela fez as duas mastectomias. Quando o procedimento é feito de forma preventiva há “de 2% a 8% de chances” de encontrar cancro, embora não houvesse nenhuma indicação de câncer de antemão, segundo Kristi. Também foi feita a verificação de linfonodos que poderiam desenvolver a doença no futuro.

Veja outras celebridades que passaram por mastectomiaClique no link para iniciar o vídeo
Veja outras celebridades que passaram por mastectomia

Na operação, os médicos colocaram um expansor de tecido, um dispositivo parecido com um balão que é lentamente inflado com soro fisiológico para esticar a pele e abrir espaço para um implante permanente. O implante já poderia ser colocado, mas a atriz preferiu dividir o procedimento em dois passos para otimizar a aparência final.

“Quatro dias depois das mastectomias tive o prazer de não só encontrá-la bem e com energia abundante, como vi duas paredes de sua casa cobertas com storyboards do próximo projeto que ela está dirigindo”, escreveu Kristi.

No dia 27 de abril, os médicos fizeram a reconstrução com dois novos implantes em forma de lágrima, mais folhas de pele de cadáver para dar aparência natural, segundo a médica. 

Histórico

Na terça-feira, a atriz, 37 anos, contou ter um gene defeituoso BRCA1 que a colocou no grupo de alto risco de desenvolver câncer de mama e no ovário. Ela fez mastectomia dupla em fevereiro e a reconstrução com implantes em abril, disse a médica Kristi Funk, em entrevista para a The Associated Press. Segundo ela, o gene carregado pela atriz provoca 87% de chances a mais de desenvolvimento de câncer de mama e 54% no ovário.

“Esse histórico de família certamente atende aos critérios para cobrir testes genéticos”, escreveu Kristi. A médica não deixou claro se Angelina também fez a remoção dos ovários, apesar de escrever em sua coluna no New York Times que a Angelina “começou com os seios” por causa do maior índice de risco.

Terra Terra