Doenças e Tratamentos

publicidade
08 de novembro de 2012 • 21h31

Médicos alertam para atraso no tratamento do Mieloma no país

A Fundação Internacional do Mieloma Múltiplo reuniu especialistas para discutir as dificuldades do tratamento da doença no Brasil
Foto: Juliana Prado/Terra
 

A Fundação Internacional do Mieloma Múltiplo, organização com representação no Brasil e na América Latina, reuniu especialistas nesta quinta-feira no Rio de Janeiro para discutir os atuais procedimentos e, principalmente, os entraves para o tratamento da doença no Brasil. O clima é de muita apreensão e de alerta, já que o país é considerado ainda muito atrasado no diagnóstico e no acompanhamento de pacientes que sofrem do mal.

O Mieloma Múltiplo é uma espécie de câncer da medula óssea ainda pouco conhecido e difundido, mas com abrangência importante entre a população brasileira e mundial, principalmente a de pessoas com mais de 60 anos. Para se ter ideia, entre as doenças do sangue, o Mieloma é hoje a segunda mais frequente, só perdendo para os linfomas. E também neste cenário, é a primeira em número de pacientes transplantados.  

Alguns entraves principais podem ser apontados com relação às falhas do Brasil no combate e controle da doença, o e que comprometem, profundamente, o tratamento de qualidade no país. O primeiro, a dificuldade com que os medicamentos novos chegam ao mercado nacional.

A médica Angela Hungria, da Santa Casa de São Paulo e especialista no tema, critica a não aprovação, pela Anvisa, de um dos mais potentes e avançados remédios à disposição no mercado mundial. Trata-se do Lenalidomida – ou Revlimid. Hoje, só utiliza a droga no Brasil quem consegue autorização judicial. “É um absurdo o que acontece. Os estudos são claros e outros órgãos fora daqui já aprovaram o uso do remédio. Mas a Anvisa sempre alega que os estudos não foram suficientes (para autorizar o uso do remédio no Brasil)”, destaca a médica.

Segundo a especialista, o Velcade, outra droga largamente utilizada no mundo, também tem baixa circulação no mercado interno. O SUS, por exemplo, não banca a distribuição do remédio para os pacientes.  O grande drama da não circulação de novos medicamentos no páis é que, no caso do Mieloma Múltiplo, quanto mais produtos estiverem à disposição, mais chances de sobrevida terá o paciente. Isso porque a doença não tem cura, os estudos ainda não estão em estágio avançado e as drogas já em circulação, como a Talidomida, podem em alguns casos provocar reações nos pacientes. Daí se necessitar de novas opções constantemente.

Este tipo de câncer também é usualmente conhecido pelos comprometimentos físicos agudos. O mal provoca quebra dos ossos do corpo, num estágio muito mais danoso que a osteoporose, por exemplo. Por isso, é importante testar todo o rol de tratamentos possíveis. Há casos, relata Vânia Hungria, de pessoas que chegam a reduzir até 12 cm na altura corporal, em função de danificação dos ossos.

Transplante

Outro atraso do Brasil em relação a muitos países é no transplante autólogo (do paciente para si mesmo). Segundo o médico Angelo Maiolino, diretor da Associação Brasileira de Hematologia, em muitos casos da doença, o transplante é mais eficaz até que o tratamento convencional, por remédios. Hoje no Brasil já se admite submeter pacientes de até 70 anos ao procedimento, se as condições de saúde gerais permitirem. No entanto, o transplante ainda não é oferecido da forma ideal, sendo poucos os centros de saúde aptos para fazer a tarefa a contento.

Como se não bastasse, o diagnóstico da doença por parte dos profissionais da saúde também é frágil, atesta Vânia Hungria. Segundo ela, há muita gente morrendo da doença sem ter tido a detecção do quadro de Mieloma Múltiplo. “O médico no Brasil não pensa o diagnóstico. Por isso estamos aqui. Porque é importante disseminar a informação”.  Os especialistas alertam que, apesar de acometer, geralmente, pessoas com mais de 60 anos, a doença tem surgido em pessoas mais jovens, o que também preocupa.

Troca de experiências

O médico Paul Richardson, da Harvard Medical School, referência no tratamento nos EUA, disse que a intenção é que o Brasil consiga avançar nos mecanismos de combate à doença. Ele fez questão de destacar que o tratamento contínuo é peça-chanve no caso do Mieloma, pelo fato de as recaídas durante o processo serem muito frequentes.  O especialista defendeu o uso da Lenalidomida (a droga reprovada no Brasil) como um meio muito potente no combate ao mal, e também o Velcade. Ele lembra que os dois medicamentos podem ter menos efeitos colaterais que a Talidomida.

Apesar do quadro de alerta, não há números formais sobre a doença no Brasil. Extraoficialmente, fala-se em 30 mil pacientes em tratamento. Há ainda a informação de que 700 mil novos casos apareçam no mundo a cada ano.

Presente ao encontro sobre o Mieloma, o advogado Dorival Urino, de 68 aos, que está em tratamento contra a doença desde 2004, fez um relato sobre seu quadro clínico e defendeu a circulação de novos remédios para modernizar o combate à doença no Brasil. Ele se tratou com a Lenalidomida depois de uma recaída séria do quadro clínico e teve ótimos resultados.

“Tive muita dor, era da cama para o sofá, do sofá para a cama. Fiquei quase imobilizado, não dirigia e tive que usar um colete. Tomei o Revlimid (Lenalinomida) e certo dia, acordei sem nada”, comemora. E ainda manda um recado otimista: “não é porque está com Mieloma que quer dizer que a pessoa vai morrer”.

As discussões em torno do tema seguem até domingo, dentro da programação do Hemo 2012, Congresso de Hematologia que acontece no RioCentro, na Barra da Tijuca. 

Terra Terra