2 eventos ao vivo

Estudo revela vínculo entre fitoterápico chinês e câncer

7 ago 2013
18h46
  • separator
  • comentários

Um extrato de plantas usado em remédios fitoterápicos chineses contra a artrite, a gota e inflamações foram vinculados diretamente ao câncer e causa um número surpreendente número de mutações genéticas, alertou um grupo de cientistas esta quarta-feira.

A assinatura genética do ácido aristolóquico - derivado de uma cepa conhecida como Aristolochia - foi encontrada em tumores de 19 pacientes em Taiwan com câncer no trato urinário superior.

Os cientistas sabiam há tempos que o ácido era cancerígeno, mas o novo estudo mostra pela primeira vez que causa mais mutações genéticas que os cânceres de pulmão relacionados com o tabagismo ou o câncer de pele vinculado à exposição aos raios ultravioleta.

Os tumores em pessoas expostas ao fitoterápico tinham 150 mutações por megabase, em comparação com oito em cânceres de pulmão relacionados com o fumo e 111 naqueles vinculados à radiação UV nos melanomas, destacou o estudo publicado na revista americana Science Translational Medicine.

Saber mais sobre a assinatura do ácido ajudará os cientistas a vigiarem a relação da planta no câncer de outros órgãos, afirmaram os especialistas.

"O sequenciamento completo do genoma nos permitiu associar a exposição ao ácido aristolóquico diretamente com uma pessoa que contrai câncer", afirmou Kenneth Kinzler, professor de oncologia no Centro de Oncologia Johns Hopkins Kimmel do Centro Ludwig para Genética e Terapêutica do Câncer.

"A tecnologia nos dá a assinatura mutacional reconhecível para dizer com certeza que uma toxina específica é responsável por causar um câncer específico", emendou.

A vinculação do câncer com a planta levou à proibição de produtos que contêm ácido aristolóquico na Europa e na América do Norte em 2001 e na Ásia em 2003, afirmaram os cientistas.

AFP   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade