1 evento ao vivo

Fim do "efeito Urach": veja alternativas seguras ao hidrogel

Prótese de silicone, gordura do próprio paciente e ácido hialurônico são opções

15 jan 2015
17h12
atualizado em 16/1/2015 às 08h23
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Agnews

As fotos chocantes das pernas da modelo Andressa Urach mostram o perigo dos excessos do hidrogel, utilizado por ela para aumentar as medidas e que ocasionou um quadro grave de infecção. O modelo brasileiro Celso Santebañes, conhecido como “boneco Ken humano”, é outro que lançou mão da substância para “tonificar” os membros inferiores e, agora diagnosticado com leucemia, também precisou ser internado para tratar complicações ocasionadas por ela.

Siga Terra Estilo no Twitter
Conheça perigos do hidrogel
Ken humano conta drama do hidrogel: filme de terror

O hidrogel não deve ser usado como substituto da prótese de silicone para aumentar regiões grandes, como bumbum ou coxas. “A dose usada para essas aplicações é enorme, muito maior do que a indicada pela Anvisa, alertou o cirurgião plástico Alexandre Barbosa, proprietário da Clínica de Cirurgia Plástica de São Paulo. “Se usado em grandes quantidades, pode atrapalhar a drenagem linfática e circulação sanguínea, aumentando o risco de reação ao produto, fibrose e infecção”, completou o cirurgião plástico André Colaneri.

Segundo Colaneri, o produto geralmente é bem aceito pelo organismo quando em pequenas quantidades. “Se utilizado com a técnica adequada, que é o uso de uma cânula em vez de agulha, e com pequenos volumes, o hidrogel não representa perigo. Mas ele só é indicado em pouquíssimas quantidades em  regiões como pálpebras, lábios, maçãs do rosto, rugas e linhas de expressão, sulco nasogeniano (bigode chinês), queixo e linha do maxilar”, afirmou Barbosa. Veja as alternativas mais seguras ao produto:

Prótese de silicone

A prótese de silicone é mais segura do que o hidrogel, na opinião dos médicos. “Ela é colocada em um plano anatômico e não compromete tanto a drenagem linfática e circulação, se comparada a um grande volume de hidrogel, que é aplicado de forma mais disseminada nos tecidos”, disse o cirurgião plástico Colaneri. O médico lembra que outra grande vantagem é poder ser retirada em caso de algum problema, o que não acontece com o hidrogel, que fica infiltrado em vários tecidos, como subcutâneo e músculos.

“Temos disponíveis próteses de coxas, indicadas sempre para quem tem pouco volume, nunca como alternativa para ter pernas malhadas. O objetivo é dar contorno corporal, não a impressão de corpo malhado. Isso também serve para as próteses de glúteos e braços”, comentou o cirurgião plástico Barbosa.

Gordura

Entre os preenchedores mais seguros está a gordura do próprio paciente. “A gordura é bem aceita pelo organismo por ser própria dele, não havendo reação alérgica ou de rejeição a ela. Ela sofre absorção parcial, em torno de 50%”, comentou Colaneri. A gordura é retirada de uma região do corpo em que exista em excesso ou em que não fará falta e, após preparo, pode ser utilizada para o fim estético.

Ácido hialurônico

Foto: Celso Santebañes/Facebook/Reprodução

O ácido hialurônico é produzido pelo organismo, mas também sintetizado em laboratório. “É uma alternativa, apesar do alto custo e de ser absorvido rapidamente (em torno de um ano). Isso torna o valor gasto praticamente inviável em maiores volumes. Geralmente é bem tolerado pelo organismo e seguro”, disse Colaneri.

O cirurgião plástico Barbosa comenta que é capaz de modificar os volumes faciais, corrigindo sulcos e rugas, além de dar volume aos lábios e ao queixo. “Os resultados são perceptíveis logo após a sessão, mas são mais suaves que os de uma plástica. Assim, esse tratamento é mais indicado para pessoas com grau leve ou moderado de envelhecimento. Mas sempre com bom senso e sabendo dos limites e de que o procedimento não faz milagres”, completou.

Mas fica o alerta: qualquer preenchedor, mesmo os bem tolerados, como a própria gordura do paciente e o ácido hialurônico,  podem ter seu risco aumentado se usado em grandes volumes, como disse Colaneri. “Isso se deve à pressão exercida pelo volume do preenchimento, que aperta os vasos sanguíneos, reduz a drenagem linfática, aumentando a fibrose e risco de infecção. Os membros inferiores (pernas) são mais propensos a isso, por já terem uma tensão dos tecidos grandes e maior facilidade de comprometimento linfático”, finalizou.

Fotos de tatuagens: estilo tribal, oriental, old school e outras Fotos de tatuagens: estilo tribal, oriental, old school e outras

Veja também:

Passo a passo para manter a saúde bucal em dia
Fonte: Ponto a Ponto Ideias Ponto a Ponto Ideias
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade