Gestação

publicidade
05 de abril de 2012 • 11h23 • atualizado às 11h29

Cafeína melhora a mobilidade do espermatozoide, diz estudo

A cafeína pode melhorar em até 30% a mobilidade dos espermatozoides, em comparação aos homens que não ingerem a substância
Foto: Shutterstock / Especial para Terra
 

Quando o assunto é fertilidade, a cafeína pode produzir efeitos opostos entre homens e mulheres. Fábio Pasqualotto, professor da Universidade de Caxias do Sul (UCS) e diretor do Conception Centro de Reprodução Humana, de Caxias do Sul e Chapecó (RS), afirma que uma xícara de café é capaz de aumentar a movimentação dos espermatozoides. Isso não quer dizer que a cafeína eleva necessariamente as chances de gravidez, mas pode melhorar a possibilidade de um espermatozoide mais lento atingir o óvulo.



Pasqualotto coordenou uma pesquisa apresentada no Congresso Americano de Medicina Reprodutiva, em San Antonio (Texas), em 2003. A pesquisa apontava que a cafeína melhora em até 30% a mobilidade dos espermatozoides, em comparação aos homens que não tomam café. Muitas pesquisas posteriores confirmam essa linha de estudo, segundo ele.



Quantidade ideal

Para conseguir este efeito, apenas uma xícara de café é o suficiente. O pesquisador não encontrou nenhuma diferença entre aqueles que tomavam apenas uma xícara e os que tomavam mais de três por dia.



Se há um estímulo para os homens tomarem café, os médicos recomendam o contrário às mulheres que querem engravidar. Na mulher, a cafeína pode fazer a parede do óvulo ficar mais espessa, o que dificulta a entrada do espermatozoide. Segundo um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de Nevada, publicado em 2011 no

British Journal of Pharmacology

, a ingestão de bebidas com cafeína pode reduzir consideravelmente a chance de uma mulher de engravidar. Pasqualotto até brinca: "mulheres, não joguem fora os chocolates, o cafezinho e o refrigerante que vocês adoram; deem aos seus maridos".



Cross Content
Especial para o Terra
Terra Terra