Nutrição

publicidade

Confira 50 erros que fazem engordar e prejudicam a saúde

Fazer loucuras para perder alguns quilinhos só traz malefícios para a saúde; reeduque-se e mantenha as curvas de maneira saudável
Foto: Getty Images
 
Danielle Barg

Fazer seis refeições por dia, cortar os doces, comer frutas e verduras. Tudo isso, na teoria, está na ponta da língua da maior parte das pessoas. No entanto, na vida prática, nem sempre é simples manter o peso ideal a partir de hábitos saudáveis.

De acordo com os especialistas, a educação alimentar é uma das principais ferramentas para entrar em forma, e a mudança de hábito não começa na academia ou no consultório - e sim, dentro de casa.

O Terra reuniu 50 erros bastante comuns na alimentação do brasileiro, com orientações simples de como evitar estes hábitos. De acordo com um dos especialistas ouvidos, Luis Claudio Benevenuto, nutricionista e professor da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), "é melhor perder três quilos em paz do que seis em sacrifício". E é nas pequenas mudanças que os quilinhos vão diminuindo na balança. Confira.

1. Não tomar café da manhã
Algumas pessoas não têm tempo para tomar o café da manhã, outras, simplesmente não têm fome. Depois de um jejum de, no mínimo, seis horas, o corpo precisa de energia para seguir suas atividades. De acordo com a nutricionista Paula Castilho, a primeira refeição do dia é essencial. "Assim, damos energia para que o corpo possa funcionar e evitamos quadros de hipoglicemia e mal estar", ressalta.

2.Tomar muito café ao longo do dia
Um cafezinho fresco é algo irresistível para boa parte dos brasileiros; ele quebra a rotina e representa uma pausa agradável entre as tarefes do dia. Mas como tudo em excesso é prejudicial, com ele também não poderia ser diferente. "O café é bom para o coração, é energético, porém, tem cafeína, que em excesso pode fazer mal para o organismo, principalmente para quem tem histórico de pressão alta. Além disso, o café pode dar celulite ou acentuar o quadro. Uma xícara de café pequena por dia é o suficiente", indica Paula.

3. Cortar o carboidrato radicalmente da alimentação
Essa é uma técnica que algumas pessoas usam tentando emagrecer alguns quilinhos. Segundo a nutricionista Elaine de Pádua, a primeira resposta do corpo é mesmo o emagrecimento. Mas depois de certo tempo, começam os problemas. "A falta de carboidrato pode causar uma fadiga muito grande, a pessoa vai ficar completamente sem energia, apática, cansada, pode ter queda de cabelo, enfraquecimento das unhas e mau humor."

Ela indica que, o ideal, é incluir um carboidrato em todas as refeições, mas sempre de maneira equilibrada. "Escolher o tipo de carboidrato é melhor do que tirar: legumes, frutas, verduras, grãos integrais, aveia, linhaça, e arroz integral são alimentos que têm uma quantidade adequada de fibras e isso também ajuda a pessoa a perder peso", ressalta.

4. Pular refeições
Com a correria do dia a dia, pular uma refeição acaba sendo um erro bastante comum. "Devemos comer de três em três horas para fazer com que o organismo entenda que ele não vai ficar sem energia, assim, evitamos com que ele armazene em forma de gordura ao invés de queimar", explica Paula. O indicado é tentar fazer, em média, uma refeição a cada três horas, sempre com opções pouco calóricas.

5. Não comer verduras e legumes
Segundo Luis, o fato de não inserir legumes e verduras é prejudicial porque o corpo terá uma menor ingestão de fibras. "As fibras ajudam com a sensação de saciedade. Se a pessoa não ingere fibras, vai acabar comendo outras coisas que não deveria. Além disso, elas controlam o colesterol, a glicose no sangue, e funcionam como um fator protetor."

O ideal, segundo o especialista, é que o hábito seja incentivado desde a infância, mas, caso isso não seja possível, uma dica é tentar ir incluindo mais opções no prato gradativamente, até identificar quais são os legumes e verduras de preferência.

6.Comer muita pimenta
Para quem gosta de uma boa pimenta, não há limites para ardência. E, segundo a nutricionista Livia Hasegawa, até certo ponto a pimenta pode até ser benéfica, porque possui substâncias antioxidantes. "Além disso, a pimenta vermelha é termogênica, ou seja, tem um efeito de acelerar o metabolismo". Mas o excesso não é recomendado. "Para algumas pessoas, pode levar a alterações no estômago, a uma gastrite ou piora da mesma. Portanto não é ruim consumir, mas isto vai depender da pessoa e da quantidade", explica a profissional.

7. Comer um doce no lugar de uma refeição
"Nunca devemos trocar um doce por um prato de comida, o doce possui carboidratos simples que libera açúcar no sangue muito rápido. Além do aumento de peso, ele pode gerar picos de glicemia altos, gerando mal estar", reforça a nutricionista Paula.

8. Exagerar nos alimentos light
Muita gente se joga nos alimentos light sem ao menos ler a tabela nutricional presente na caixinha. De acordo com Paula, o principal problema dos alimentos light é a quantidade de sódio. "Sempre olhe no rótulo e veja se o sódio é menor do que 100 mg. O sódio ajuda na retenção de líquidos, aumento de pressão e estética defeituosa do corpo como a celulite. Tudo o que não é consumido com moderação na quantidade e horário certo, faz mal para a saúde", ressaltou.

9. Dieta da sopa
Quem quer emagrecer rapidamente muitas vezes acaba cortando de vez os alimentos sólidos. Mas segundo os especialistas este tipo de restrição pode acarretar uma série de problemas. "Se você comer só sopa, não está trabalhando a mastigação, que é o momento em que o corpo libera uma série de substâncias e enzimas importantes e manda a mensagem para o cérebro da saciedade", explica Elaine. Outro problema é a dificuldade de manter esse padrão de alimentação em longo prazo. "Uma dieta restritiva faz com que a pessoa volte fazer tudo errado e até pior", ressalta. Para quem gosta de tomar uma sopinha a noite, a especialista ressalta que é importante que a sopa tenha um pouco de consistência. Ela dá como dicas ingredientes como flocos de aveia, quinua, castanha-do-pará, arroz integral, além de legumes e folhas.

10. Comer muita carne vermelha
Comer carne vermelha em excesso também é um erro comum, especialmente para pessoas que não gostam muito de frango ou peixe. "A carne vermelha possui gordura saturada, isso faz com que o organismo aumente as taxas de colesterol e pode também gerar doenças cardiovasculares com o entupimento de veias. O ideal é consumir carnes magras de duas a três vezes na semana", reforça Paula.

11. Excluir radicalmente a carne vermelha do cardápio
Para quem não é muito chegado em carne vermelha, ou é vegetariano, a atenção ao cardápio também deve ser redobrada. "A principal preocupação em não ingerir carne vermelha é não conseguir suprir a quantidade de minerais necessários para o organismo", alerta Paula. Ela explica, no entanto, que se a pessoa tiver uma alimentação variada e rica em nutrientes, é possível excluir a carne e manter a saúde. "O ferro pode ser suprido por alimentos folhosos verde escuros, assim como o gergelim e a uva vermelha", observa.

12. Comer massa no almoço todos os dias
Quem tem um pezinho na Itália e não dispensa uma boa macarronada, no lugar do brasileiríssimo arroz e feijão, deve ficar de olho na saúde. "Um prato só de macarrão deixa de ter as fibras e minerais de um prato mais variado. Além disso, pode ser um prato bem mais calórico, dependendo do molho. É um prato rico em amido, que é um carboidrato que nos dá milhares de moléculas de glicose, e isso representa um risco real de, no futuro, ter problemas como um possível diabetes", explica o nutricionista Luis.

13. Não variar nos legumes no prato
"Uma alimentação rica em nutrientes, é uma alimentação colorida. Quanto mais colorido, mais nutrientes antioxidantes ele tem", explica Paula. Segundo ela, o prato ideal tem sempre ter cinco cores diferentes.

14. Não comer frutas
Desde crianças, ouvimos que as frutas são ricas em fibras e vitaminas. Só que no dia-a-dia nem sempre conseguimos incluí-las na alimentação. A nutricionista Paula alerta: "as frutas deixam o organismo forte e resistente. As fibras o deixam em equilíbrio, filtrando as toxinas e garantindo seu bom funcionamento".

15. Não mastigar bem
Comer rápido é uma característica do mundo moderno e, às vezes, para ganhar alguns minutos, muita gente mal sente o gosto da comida. "Não mastigar os alimentos leva a um processo de má digestão e ainda a um maior consumo de calorias, já que a sensação de saciedade leva de 15 a 20 minutos para acontecer", explica Livia. Ela ressalta também que o ideal é mastigar de 20 a 30 vezes o alimento ou até que ele fique sem grandes pedaços sólidos. "Descanse o talher no prato, se necessário, para ajudar neste processo, coma em pratos pequenos e com talheres pequenos. Procure demorar uns 20 minutos ou mais para fazer sua refeição", reforça.

16.Tomar muito refrigerante
De acordo com a nutricionista Paula, o refrigerante não só contribui com o aumento de peso pela quantidade açúcar, como também pode trazer outros problemas. "Os lights e diet podem ser prejudiciais pelo excesso de adoçantes. O ideal é deixar para consumir aos finais de semana de maneira controlada ou substituir por sucos naturais sem açúcar", orienta.

17. Tomar líquido na hora da comida
Muito se discute sobre o ato de ingerir líquidos na hora da refeição - o maior medo das pessoas é engodar. Mas segundo o nutricionista Luis, um copo de 200 a 250 ml durante a refeição não vai atrapalhar em nada. "O problema é que as pessoas tomam muito durante a refeição e, se exceder, isso pode atrapalhar na absorção dos nutrientes", observa.

Ele reforça que, no caso de idosos, que têm a diminuição de secreções, como a saliva, além de dificuldade na mastigação, o líquido é um aliado, mas sempre respeitando os limites de quantidade.

18. Não tomar água
"Corpo desidratado pode gerar um envelhecimento precoce e danos nas células, causando um desequilíbrio no organismo", explica Paula. Ela ressalta que o líquido é responsável por funções metabólicas em diversas sínteses do organismo.

19. Beber líquido em excesso
"Beba quatro litros de água por dia e seja saudável" - quem nunca leu essa frase estampada em alguma revista e acabou acatando a máxima como uma verdade absoluta. Segundo o nutricionista Luis, pecar pelo excesso pode comprometer o processo de digestão. "A água é o nutriente mais importante do organismo, porque toda reação química depende de água. A boa ingestão de água ao longo do dia faz com que você segure um pouco a alimentação. A ideia é chegar aos 2 litros por dia, em média, considerando líquidos em geral", reforça.

20. Beliscar o dia todo
O hábito de beliscar é um problema para muita gente. Além de ser uma das causada da obesidade, o ato pode acabar virando uma constante e trazer diversos problemas. "Beliscar alimentos calóricos pode gerar um aumento de peso e a compulsão alimentar", indica Paula.

21. Comer em grande quantidade
Para garantir a boa forma não é preciso parar de comer, mas sim, saber fazer escolhas inteligentes e ter bom senso na hora de montar um prato de comida. "O ideal é fracionar as refeições. Quando consumimos muitas calorias de uma só vez, a chance de ingerir excessos é muito grande e isso faz com que nosso organismo estoque em forma de gordura", explica Paula.

22. Tomar muito chá verde com o objetivo de emagrecer
De acordo com a nutricionista Elaine, o chá verde tem sim seus benefícios. "Ele possui o epigalato 3, uma sustância que tem uma ação termogênica, ou seja, acelera o metabolismo. Mas a quantidade é pequena, varia entre 5% e 10%", observa. O que significa que tomar chá verde o dia todo não é a solução para o emagrecimento. Além disso, ele tem seus contras. "Ele tem alto teor de cafeína, então, quando é ingerido logo após as refeições, acaba comprometendo a absorção de micronutrientes como ferro e cálcio", reforça.

23. Tomar shakes para substituir as refeições
Os famosos shakes são bem atraentes por prometerem a sensação de saciedade de forma rápida e pouco calórica, mas os especialistas não incentivam o hábito. "O shake é um produto processado, o que foge da ideia de uma alimentação natural. Tomar shake ainda pode levar a um período menor de saciedade e inclusive à deficiência de algum nutriente, como vitaminas e minerais", explica Livia. "O shake uma hora ou outra vai enjoar e não é um comportamento que faz parte da reeducação alimentar", reforça.

24. Mistureba no prato
Quem nunca cometeu exageros na hora da fome no restaurante por quilo? Basta dar uma olhadinha nos pratos mais lotados para se comprovar a presença de arroz, macarrão, comida japonesa, feijoada e muitas outras combinações um tanto quanto estranhas. A prática, no entanto, é um erro, segundo explica a nutricionista Paula. "O ideal é consumir um grupo de alimentos a cada refeição. A mistura de grupos acaba deixando o prato mais calórico".

25. Se segurar o dia todo e compensar na "gula' à noite
De acordo com a nutricionista Elaine, este é um péssimo hábito, especialmente porque à noite o metabolismo fica mais lento. "É o momento do dia em que você tem que comer menos, porque não vai ter um gasto de energia considerável, e seu corpo esta se preparando pra descansar. Além disso, o fato de comer muito pode causar insônia e pesadelos", pontua.

26. Misturar dois carboidratos no prato
Apesar de esta combinação ser uma das grandes vilãs das dietas, a nutricionista Paula explica que a mistura pode ser feita desde que as porções sejam divididas de forma que somem uma porção. "Por exemplo, se for comer purê de batatas, coma apenas duas colheres de sopa, com duas de arroz", orienta.

27. Almoçar ou jantar cada dia em um horário
Para quem tem rotina, fica fácil se organizar para fazer as refeições todos os dias no mesmo horário. Mas para quem tem um trabalho um pouco mais atípico isso já fica mais difícil. O maior problema nesse sentido é o período de jejum que se forma, segundo o nutricionista Luis. "As pessoas acabam comendo muito mais do que deveriam, fica aquele sentimento de 'pobre de mim, posso tudo porque fiquei o dia todo sem comer'. Se a pessoa não consegue colocar uma rotina, o ideal é fazer um lanche ou algo do tipo". O especialista reforça que o fato de ficar muito tempo sem comer também contribui para a perda da massa muscular. "Quando você não dá energia para o corpo, ele busca da reserva", explica.

28. Mastigar chiclete o dia todo
Mastigar, mastigar e mastigar, sem mandar nada para o estômago. Este é outro hábito que está sempre na mira dos especialistas. "Toda vez que a pessoa mastiga o chiclete, acaba ativando a produção de enzimas na boca, e a tendência é cada vez ter mais fome", ressalta Elaine. Para quem não abre mão do hábito, o indicado é optar pelas versões sem açúcar, porque, do contrário, "acabará aumentando o valor enérgico com um alimento que não tem valor nutricional nenhum", orienta a profissional.

29. Comer ração humana no lugar de uma refeição
A ração humana virou uma febre há alguns anos, quando surgiu com a promessa de saciar a fome e ajudar na perda de peso. No entanto, segundo a nutricionista Livia, não deve ser consumida com o intuito de emagrecimento. "Além disso, o consumo dos mesmos ingredientes todos os dias acaba enjoando e até mesmo gerando um processo alérgico." Ela explica que outro problema é o excesso de fibras, que compete com a absorção de diversas vitaminas e minerais, gerando uma deficiência nutricional. "O ideal é variar sempre as fibras, e não necessariamente consumi-las todas juntas. Mas lembre-se que você nunca deve substituir isto por uma refeição, sendo ração humana ou não", explica.

30. Excesso de açúcar e de sal
Estes são alguns dos maiores vilões da alimentação. "Além de aumentar o peso, o açúcar acaba aumentando o triglicérides. O ideal é substituir por adoçantes naturais, açúcar mascavo ou mel", indica Paula. Já o sal em excesso é o inimigo da pressão alta e dos problemas cardiovasculares, além de contribuir para a retenção de líquido. "Substitua por temperos naturais e coloque o sal apenas no momento da refeição; 2g por dia é o suficiente", orienta.

31. Trocar o almoço ou o jantar, todos os dias, por lanche
Muitos lanches são ricos em gordura, mas, de acordo com a nutricionista Elaine, mesmo os lanches naturais não devem ser consumidos todos os dias como substituição a uma refeição. "O lanche natural de vez em quando tudo bem, mas pode ser que falte muitos nutrientes. Ao longo da semana tem tentar variar um pouco o cardápio, se hoje colocou tomate, amanhã tente uma rúcula, agrião, espinafre", sugere.

32. Comer comida guardada há dias na geladeira
Muitas vezes não há tempo para se fazer comida fresca todos os dias, mas os especialistas alertam para os perigos dessa prática. "A comida guardada há dias na geladeira pode estragar por aumentar a proliferação de bactérias. Isto faz mal à saúde e pode levar a quadros de vômitos e diarreia", explica Livia. Ela indica que a comida que sobra seja guardada bem tampada, se possível em recipiente de vidro, por até dois dias na geladeira. "Caso não vá usar um alimento por mais tempo, congele-o", pontua.

33. Fazer apenas três refeições diárias
A indicação dos especialistas é que sejam feitas pelo menos seis refeições ao dia. "As pesquisas mostram que a omissão de refeições está diretamente relacionada à obesidade", explica Luis. Ele reforça que, entre as refeições principais, frutas, iogurte, biscoitos ou barra de cereais são opções para diminuir o buraco no estômago. "Se a pessoa vai almoçar com essa sensação de fome a chance dela errar é imensamente maior, porque não vai fazer as escolhas pelo racional, e sim pelo emocional", ressalta o especialista.

34. Cafezinho depois do almoço
Tomar uma xícara de café após o almoço é um hábito para muita gente, mas a nutricionista Elaine avisa que o café pode atrapalhar na absorção do ferro, prejudicial especialmente para quem apresenta quadro de anemia. "O certo é tomar uma hora depois da refeição. Qualquer tipo de chá que contenha cafeína, como mate ou preto, também não ~é indicado", explica Elaine. Ela indica como chás digestivos os de alecrim e hortelã.

35. Excesso de adoçante
Embora o açúcar refinado não seja o melhor amigo da saúde, o excesso de adoçante também tem seus contras. "O adoçante artificial é derivado de petróleo, o que em excesso pode causar danos para a saúde, além de ter uma grande quantidade de sódio", enfatiza Paula.

36. Comer alimentos fritos em óleo velho
Quando a fome aperta, até aquela coxinha do local menos confiável em termos de higiene parece algo atraente. Mas se fritura já faz mal, fritura em óleo velho é pior ainda para a saúde. "O óleo, quando submetido a altas temperaturas, se transforma em um óleo maléfico para a saúde. Aquele óleo velho, que ficou um bom tempo em alta temperatura, transforma-se em um óleo com substancias maléficas, que pode levar ao aparecimento de câncer, por exemplo", explica Livia. Ela ressalta que, na hora de fritar alguma coisa, é preciso usar o mínimo de óleo possível e nunca reutilizar.

37. Tomar suplementos alimentares aleatoriamente, sem orientação médica
Para quem não tem rotina, os suplementos alimentares são uma proposta tentadora e parecem suprir qualquer deficiência na alimentação. Mas sem a ajuda de um profissional, descobrir onde está o problema pode não ser algo assim tão simples. "Muitas vezes, as pessoas acabam usando um suplemento que tem um nutriente em uma concentração que não é o mais indicado. Dessa forma, ela pode até ter obter o efeito contrário, que é a ausência de alguns nutrientes", afirma Elaine.

38. Substituir alimentação por álcool
Nos fins de semana é comum as pessoas abusarem no álcool, e, muitas vezes, acabam até mesmo se esquecendo de comer. Além disso, deixam de lado a disciplina seguida durante a semana e não contam as calorias do que estão bebendo. De acordo com o nutricionista Luis, um chope de 300ml em media tem 120 calorias. "Se uma pessoa tomar 10 chopes em uma noite, vai ingerir 1200 calorias. O álcool se transformar em gordura e aumenta o triglicérides", afirma.

39. Comer muito doce antes de dormir
Muita gente aproveita a calada da noite para cometer aquele bom e velho pecado de abusar dos doces. De acordo com Lívia, o hábito deve ser evitado. "Comer muito doce antes de dormir é ruim porque seu metabolismo está mais lento, e este doce pode virar facilmente gordura." Ela indica, para quem não consegue abrir mão do doce, comer durante o dia ou após a atividade física.

40. Não tomar leite ou derivados
Quem não costuma incluir este tipo de alimento no cardápio pode ter uma deficiência em cálcio - exceto àqueles que têm intolerância à lactose ou que são muito alérgicos. "A deficiência em cálcio pode ser altamente prejudicial para a saúde, ele é um mineral ótimo para quem tem diabetes, pois absorve melhor as fibras", reforça Paula.

41. Ir para a academia sem comer antes
A nutricionista Elaine explica que malhar sem nada no estômago não é uma boa ideia, pois compromete a performance e acaba fazendo com que a pessoa queime massa magra. Ela indica que, antes do treino, seja consumida alguma fonte de carboidrato, que pode ser uma fruta, granola sem açúcar, iogurte ou até mesmo um pãozinho francês. "Tome cuidado com produtos muito processados", ela avisa.

42. Tomar chás laxativos e diuréticos em excesso
Quem toma chás laxativos ou diuréticos para diminuir as medidas, pode estar fazendo um esforço à toa. "Para perda de peso não faz sentido, porque isso faz com perca liquido", explica Luis. No caso dos chás laxativos, o maior problema é dar ao organismo um péssimo costume. "Tomando em excesso, o corpo vai se adaptar e aquilo que fazia efeito já não faz mais. O vicio não é legal porque não resolve a causa base", frisa. A recomendação é procurar ajuda médica para descobrir a origem do problema.

43. Fazer dieta durante a semana e exagerar no fim de semana
Para quem pensa que manter a linha nos dias úteis e exagerar no fim de semana não vai comprometer a dieta, uma má notícia: compromete sim. Mas abandonar a vida social também não é o melhor caminho. Para resolver o impasse, a nutricionista Elaine dá a dica. "O segredo é nunca ir para o local com fome. Faça um lanche rápido antes de ir para uma festa ou evento, assim, quando chegar lá, vai conseguir comer uma quantidade equilibrada".

44. Comer carne descongelada no ambiente
Muita gente pensa que a alimentação natural inclui carnes que foram congeladas naturalmente, mas a nutricionista Livia indica o contrário. "Isso pode gerar uma contaminação da carne por bactérias, já que a carne fica em uma temperatura mais adequada para estas bactérias crescerem. O ideal na realidade é descongelar a carne na geladeira. Tire umas horas antes e coloque na parte de baixo da geladeira, para evitar esta contaminação", orienta.

45. Usar o micro-ondas para esquentar tudo
Leite, pizza, comida, sopa. Na hora da pressa, tudo vai parar dentro do micro-ondas e, em poucos minutos, está pronto para ser ingerido. No entanto, Livia avisa: "o microondas pode levar à perda de alguns nutrientes. O ideal é esquentar na panela, sempre que possível, e usar o micro-ondas mais como emergência".

46. Tomar leite durante ou logo depois da refeição
Este é um hábito muito comum entre as crianças. Alguns adultos também costumam tomar um café com leite ou cappuccino logo após a refeição. Segundo explica o nutricionista Luis, este é um hábito ruim pois o cálcio do leite compete com o ferro o mesmo canal de absorção. Isso vale também para sobremesas ricas em leite. "Se você almoça e logo depois toma leite, gera essa competição e isso pode ocasionar uma perda de ferro", explica. Em contraposição, um suco rico em vitamina C ajuda na boa absorção do ferro, orienta o especialista.

47. Colocar catchup e mostarda em tudo
Exagerar em condimentos como catchup e mostarda também não é uma boa ideia para quem busca saúde boa forma. "Catchup e mostarda possuem diversas substâncias artificiais, que podem ser tóxicas para nosso organismo e inclusive desencadear algum processo alérgico. A dica é usar pouca quantidade e, sempre que possível, usar algo mais natural como substituir o catchup por um molho de tomate, quando possível", explica a nutricionista Livia.

48. Comer sobremesa todos os dias
Comer uma porção pequena de doce por dia é algo tolerável, segundo explica Elaine. "A questão é a quantidade. Um pedacinho de chocolate não é proibido, mas as pessoas querem comer a barra inteira." Como alternativa, ela indica alimentos que saciam a vontade de doce. "Chocolate com 70% cacau, mousse de frutas com iogurte, picolé com frutas, banana com canela ou sorvetes à base de iogurte".

49. Exagerar na barra de cereal ou granola
As barrinhas de cereal e a granola têm um estigma de serem saudáveis e, por serem ricas em fibras, enganam a fome. Mas o nutricionista Luis questiona: "o tipo de padrão padrão alimentar que você está tentando implementar será viável para o resto da vida?". Se a resposta for não, ele explica, a chance da pessoa enjoar do alimento e voltar a se alimentar de maneira errada é bem grande. A recomendação, neste caso, é buscar uma reeducação alimentar. "É melhor você perder três quilos em paz do que seis em sacrifício, porque isso tem data de validade', reforça.

50. Exagerar no álcool
O exagero no álcool traz calorias e muitos problemas de saúde. "A bebida fermentada e a destilada podem levar a problemas paras o organismo, tanto afetando o intestino, quanto o funcionamento do fígado, além de serem calóricas. O ideal é na realidade, alternar o consumo de bebidas alcoólicas com água. E se possível, beber a menor quantidade e frequência possível", pontua Livia.

Terra Terra