0

Estudo propõe nova medição para o IMC com cálculo da cintura

O Índica de Massa Corporal (IMC) é uma das formas mais utilizadas para determinar se os níveis de gordura e o peso da pessoa estão dentro do recomendado pela Organização Mundial de Saúde. Mas uma pesquisa britânica pode colocar em dúvida o atual cálculo, que leva em conta apenas o peso e a altura, para utilizar a medida da cintura com a altura. As informações são do jornal Folha de S. Paulo deste sábado (12).

Infográfico: Calcule o seu IMC segundo os padrões atuais

De acordo com os pesquisadores, que apresentam neste sábado, em Lyon, na França, os resultados dos estudos, a proporção entre cintura e altura prevê melhor o risco cardíaco e de diabetes do que a velha escala do IMC. E não é preciso uma conta muito elaborada: a cintura deve ser no máximo metade da altura. Se a pessoa tem 1,80 m, por exemplo, deve ter no máximo 90 cm de cintura para ser considerada com menor risco de desenvolver as doenças.

Uma das críticas feitas há muito tempo sobre o cálculo do IMC é não separar massa muscular de gordura no cálculo do peso, e esse foi um dos motivos para se começar a pensar na influência da cintura nas contas.

Além de derrubar a teoria atual do IMC, o estudo também vai contra os padrões de cintura utilizados por alguns profissionais. Diz-se que o tamanho máximo de cintura para homens é de 102 cm e de 88 cm para as mulheres, para serem considerados saudáveis. No entanto, esse cálculo não considera as proporções em relação a altura - uma mulher de 1,50 m de altura com 88 cm de cintura tem riscos diferentes de uma com a mesma cintura e 1,70 m de altura.

O estudo levou em conta 31 trabalho, envolvendo 300 mil pessoas.

De acordo com a autora do estudo, Margaret Ashwell, da Universidade Oxford Brookes, a nova medida já está ganhando apoio em países como EUA, Austrália, Japão, Índia, Irã e também no Brasil.

Estudo quer mudar os cálculos atuais de IMC
Estudo quer mudar os cálculos atuais de IMC
Foto: Getty Images
Fonte: Terra
publicidade