Saúde

publicidade

Problemas intestinais: especialistas desvendam mitos sobre o tema

Com mudanças de hábitos simples e atenção redobrada aos sinais do corpo, é possível prevenir os problemas intestinais e o desenvolvimento do câncer
Foto: Getty Images
 

Um artigo do jornal Daily Mail adverte: atualmente, nove milhões de pessoas no mundo sofrem de problemas intestinais, de diversos tipos. Entre eles, está a síndrome do cólon irritável, que afeta uma em cada cinco pessoas, de acordo com a publicação.

Na mesma proporção em que o problema se manifesta, mitos sobre possíveis causas e curas fazem com que muitas pessoas adotem ou evitem hábitos que podem, inconscientemente, aumentar ainda mais o problema. Para decifrar essa questão, o veículo ouviu diversos especialistas que buscaram detonar os mitos mais comuns neste sentido.

Sinal verde para os laxantes
Muitas pessoas afirmam se sentir melhor após ir ao banheiro mas, de um modo geral, os laxantes são vistos como vilões da história. No entanto, o professor de medicina e especialista em síndrome do cólon irritável, Peter Whorwell, avisa que quem tem problemas crônicos pode adotar um comprimido diário sem danos ao organismo.

Vale lembrar que o consumo não deve ser desregrado ou usado levianamente. O especialista mostra uma média para ajudar na identificação de problemas intestinais - segundo ele, ir ao banheiro mais de três vezes ao dia pode demonstrar indícios de diarreia; já quando a frequência semanal é menor que três vezes, os sintomas são de constipação intestinal.

Devoradores de fibras
O professor Whorwell desassocia a ingestão de fibras a um funcionamento intestinal perfeito. Ele não descarta o papel que as fibras têm para resolver alguns tipos de constipação, mas explica que, especialmente para os pacientes que sofrem com a síndrome do cólon irritável, as fibras raramente aliviam os sintomas ou ajudam a diminuir a diarreia.

Para quem tem problemas mais graves, alimentos deste tipo podem ainda dar mais trabalho para o intestino. No lugar disso, ele recomenda a ingestão de pão e massas brancas, além de bolacha de água e sal ou outros alimentos produzidos com farinha branca refinada no lugar de fibras ásperas.

Frutas, legumes e muita água
Algumas pessoas acham que comer as recomendadas cinco porções de frutas ou vegetais, que têm um efeito laxante e muitas fibras, podem resolver todos os problemas, mas este é outro mito derrubado por um dos especialistas ouvidos pelo jornal.

Além disso, a lenda dos três litros de água por dia pode ser contraditória: as estatísticas mostram que muitas pessoas afirmam tomar essa quantidade diária e ainda assim continuar com o intestino congestionado.

A explicação para o insucesso da prática é que a água é absorvida pelo sangue antes de chegar ao intestino grosso, órgão que determina a consistência das fezes. Ou seja, não é a quantidade de água que vai fazer um intestino preguiçoso funcionar.

Pílula da felicidade
As fontes ouvidas pelo jornal também mostram a ligação que o corpo humano faz entre o processo gastrointestinal e as emoções. "Nós sabemos que o cérebro é feito de nervos, mas o que muitas pessoas não percebem é que o intestino é feito de nervos também", diz o gastroenterologista Deepak Suri, e completa: "O intestino tem seu próprio sistema nervoso, é por isso que sentimos 'borboletas' no estômago quando estamos nervosos antes de um evento importante", ele explica.

Por este motivo, o estresse acaba sendo o culpado por muitos problemas digestivos e, com isso, alguns especialistas vêm adotando o uso de pequenas doses de antidepressivos para pacientes com problemas crônicos que não tiveram sucesso com os tratamentos habituais.

Mas é preciso cautela: as desordens psicológicas não devem ser vistas como as principais responsáveis por problemas de ordem intestinal, mas como um fator relevante.

Atenção aos analgésicos
Muitas pessoas com problemas intestinais reclamam de cólicas estomacais, causadas por espasmos no músculo ao redor do intestino. Para amenizar a dor, alguns acabam tomando analgésicos que contém em sua fórmula ibuprofeno, que pode agravar ainda mais o problema e deve ser evitado.

Como solução para as cólicas, os médicos recomendam Buscopan, que pode de fato ajudar. Além disso, evitar alimentos que irritam o órgão, como gorduras, chocolate e o cafezinho, que pode ser substituído por chá de hortelã, irá amenizar as dores intestinais.

Quilos a mais, problemas também
O artigo faz um alerta às pessoas obesas, que demonstram maior risco de desenvolver problemas intestinais. Isso porque o peso extra coloca pressão sobre alguns órgãos e compromete o formato natural do intestino, prejudicando o processo digestivo e causando diarreia.

Probióticos podem mesmo ajudar
Segundo o artigo, a função dos produtos que contêm lactobacilos é mesmo eficaz. Os médicos mostram que este tipo de alimento traz uma proteção extra ao organismo, amenizando sintomas como o inchaço e o intestino preso.

De olho nos sinais
Em um ponto os especialistas são unânimes - para manter um sistema intestinal saudável, é preciso estar atento aos sinais que o corpo mostra.

Em primeiro lugar, é preciso evitar o autodiagnóstico ou a automedicação. Embora os especialistas concordem com o uso de laxantes ou de remédios preventivos, é preciso ter critério para não mascarar sintomas que denunciam problemas maiores.

Mais do que a preocupação com a frequencia com que se visita o banheiro, é preciso reconhecer mudanças bruscas, que podem ser o principal alarme. Sendo assim, se uma diarreia ou prisão de ventre aparecerem de uma hora pra outra, a visita a um especialista é altamente recomendada.

Prestando atenção aos sinais, é possível inclusive prevenir o desenvolvimento do câncer intestinal, que é o segundo tipo que mais mata nos Reino Unido, de acordo com o artigo do Daily Mail.

Terra Terra