Check-up: dentista ajuda a prevenir doenças; veja quais

16 ago 2013
07h06
atualizado às 07h06

O check-up geral tem sido a grande saída para muitos pacientes que não têm tempo de agendar uma consulta médica, fazer os exames, retornar ao consultório e iniciar o tratamento. De maneira rápida e eficiente, o check-up traz uma bateria de exames e já encaminha o indivíduo para os especialistas necessários com bastante agilidade. 

De maneira rápida e eficiente, o check-up traz uma bateria de exames e já encaminha o indivíduo para os especialistas necessários com bastante agilidade
De maneira rápida e eficiente, o check-up traz uma bateria de exames e já encaminha o indivíduo para os especialistas necessários com bastante agilidade
Foto: Shutterstock

Mas nesta lista de especialistas, muita gente se esquece do quão importante é incluir o dentista para o check-up bucal. Assim como acontece com o resto do corpo, a boca também pode apresentar sinais de doenças que devem ser diagnosticadas e tratadas. 

Para o coordenador de medicina bucal do Centro de Acompanhamento da Saúde e Check-up do Hospital Sírio-Libanês, Henry Bittar Bufarah, o diagnóstico oral caminha junto com o diagnóstico de clínica geral. “Pela boca, podemos perceber doenças que se manifestam na cavidade oral inicialmente, mas cuja origem pode ser de outras áreas”, explica. Ou seja, na boca não surgem apenas as doenças orais, como periodontites ou infecções. Há também sinais de que alguma coisa no organismo não vai bem.

Um exemplo citado por Bittar são as doenças que ainda não foram descobertas, mas já surgem sintomas na boca. “Sabemos que quando o paciente tem o líquen plano na boca, pode ser um indício de hepatite. Outro exemplo é a anemia, que deixa a mucosa do paciente bem branca”, diz.

Quando o trabalho do dentista caminha junto com os demais médicos do check-up, o compartilhamento de informações pode ajudar no diagnóstico da doença. “Se eu percebo que a pessoa apresenta rarefações ósseas, por exemplo, posso desconfiar de hiperparatiroidismo (excesso de funcionamento das glândulas paratireoides que regula a taxa de cálcio do corpo). Às vezes, as razoes não são odontológicas, mas sim sistêmicas”, aponta. Por isso, Bittar ressalta a importância da interatividade entre médicos e dentistas para que o diagnóstico estomatológico não seja avaliado individualmente.  

Fonte: Agência Beta Este conteúdo é de propriedade intelectual do Terra e fica proibido o uso sem prévia autorização. Todos os direitos reservados. Fonte: Terra
publicidade