PUBLICIDADE
Logo do

Novidades

Chocolate pode prevenir a cárie, diz estudo japonês

Além de boas notícias, especialista conta como prevenir e explica como a doença pode prejudicar até o rendimento escolar das crianças

9 out 2014 08h02
| atualizado às 10h15
Publicidade
Segundo um estudo japonês, feito pela Osaka University, uma parte do grão do cacau possui agentes anticárie
Segundo um estudo japonês, feito pela Osaka University, uma parte do grão do cacau possui agentes anticárie
Foto: suravid / Shutterstock

A cárie é uma doença que resulta da combinação entre placa bacteriana, dieta inadequada e higiene bucal falha. E, embora seja séria, é o distúrbio mais comum do mundo, perdendo apenas para o resfriado. Para acabar com essa “popularidade”, o Portal Terra reuniu cinco curiosidades que você provavelmente não sabe sobre a cárie, e que podem ajudar a acabar com ela. 

Saiba como as mães podem passar cárie para o bebê

Aprenda a tirar a mamadeira e evitar cárie nos bebês

Cárie e traumas são problemas bucais comuns em atletas

Chocolate pode prevenir cárie
Segundo um estudo japonês, feito pela Osaka University, uma parte do grão do cacau possui agentes anticárie. A pesquisa, feita em ratos, analisou dois grupos distintos; os que tomaram água com o extrato do cacau e os que a tomaram pura. Depois de três meses de uma dieta rica em açúcar, os animais que tomaram a água com extrato tinham 40% menos cárie do que o grupo da água pura. A Universidade pretende começar os testes em humanos o mais rápido possível.

Embora a notícia seja ótima para os chocólatras de plantão, ainda é preciso tomar alguns cuidados com o consumo dessa delícia. “As pessoas podem continuar comendo chocolate, desde que a ingestão não seja muito alta e que escovem os dentes após os comerem”, diz Fausto Medeiros Mendes, professor da Faculdade de Odontologia da USP com experiência em cariologia (ciência que estuda a dinâmica da cárie). 

Mães podem transmitir cárie para seus filhos por meio do beijo
Na verdade, não é a cárie em si que pode ser transmitida da mãe para o filho e sim as bactérias relacionadas à doença.  O fato de o bebê nascer com a boca estéril (sem nenhum micro-organismo) e com o sistema imunológico imaturo faz com ele não tenha as defesas necessárias para combater as bactérias que adultos carregam na saliva. 

Porém, segundo Fausto, essa transmissão não é o maior problema. “Para evitar a cárie não devemos evitar essa transmissão, e sim trabalhar para que não ocorra um desequilíbrio na ecologia das bactérias que habitam naturalmente a cavidade bucal das pessoas, pois isso faz com que essas bactérias se proliferem e causem a cárie”. Esse desequilíbrio pode ser causado por uma escovação deficiente e com pastas sem flúor e pela ingestão frequente de doces e lanches entre as refeições. 

Dentes de leite também podem ter cáries
Os dentes de leite têm uma composição muito parecida aos dentes permanentes. A única diferença é o tempo que são programados para ficarem na boca, que é menor. “No Brasil, mais de 50% das crianças até 5 anos apresentam pelo menos um dente de leite com cárie”, diz o especialista. 

Crianças com cárie podem ter baixo rendimento na escola
Isso porque, com dor de dente, causada por uma cárie não tratada, a criança não consegue ter uma boa noite de sono e acaba não conseguindo se concentrar de dia. Além disso, por causa da dor, ela fica agitada e acaba não se alimentando direito. “A cárie dentária comprovadamente afeta a qualidade de vida das crianças e seus familiares”, diz Fausto. 

A cárie pode estar com os dias contados
Um estudo publicado pela revista Proceedings of the National Academy of Sciences revelou ter decifrado o segredo da placa bacteriana. Segundo a pesquisa, as bactérias causadoras da cárie produzem uma substância chamada glucansucrase para transformar o açúcar em uma espécie de “cola açucarada”, ficando mais fácil de grudar nos dentes e formar a placa bacteriana e a cárie.   

Baseados nisso, os pesquisadores pretendem produzir inibidores dessa substância e inseri-lo em pastas de dentes ou até mesmo doces. Porém, enquanto essa descoberta não é viabilizada, prevenir a cárie é a melhor opção. “O ideal é consultar o dentista pelo menos uma vez ao ano, para que o profissional possa fazer exames detalhados e intervir em possíveis processos de cárie antes que grandes danos sejam causados aos dentes”, diz Fausto. 

Fonte: Agência Beta Este conteúdo é de propriedade intelectual do Terra e fica proibido o uso sem prévia autorização. Todos os direitos reservados.
Publicidade