PUBLICIDADE

Diverticulite: tire dúvidas sobre doença de Muricy Ramalho

Doença é uma inflamação no intestino grosso e casos graves podem pedir tratamento cirúrgico

26 jan 2015
16h09 atualizado às 16h33
0comentários
16h09 atualizado às 16h33
Publicidade
Muricy Ramalho já havia sido internado por diverticulite em abril de 2013
Muricy Ramalho já havia sido internado por diverticulite em abril de 2013
Foto: Alexandre Schneider / Getty Images

O técnico Muricy Ramalho desfalcou o São Paulo no último fim de semana por conta de um quadro de diverticulite, que o levou a ser internado e a receber tratamento com antibióticos. O ex-presidente Tancredo Neves morreu, em 1985, vítima da doença, e o ditador Fidel Castro renunciou ao comando de Cuba em 2008 por estar debilitado devido a ela e à peritonite. O humorista Dedé Santana e a cantora Sandra de Sá também permaneceram alguns dias no hospital por conta do problema. Quer tirar suas dúvidas sobre o assunto? Então, confira as explicações da gastroenterologista Cinara Martins de Oliveira, da Beneficência Portuguesa de São Paulo; e do gastroenterologista Tiago Szego, do Hospital Leforte.

Siga Terra Estilo no Twitter
 
O que é? 
“Diverticulite é a inflamação dos divertículos do intestino grosso, que são ‘pequenos saquinhos’ presentes em diversos pacientes”, explicou o gastroenterologista Szego.

Quais são os sintomas? 
Os principais sintomas são dor abdominal do lado inferior esquerdo, mal-estar e, eventualmente, febre e diarreia.

O que causa? 
Vários fatores podem causar diverticulite. “Entre eles estão alimentação inadequada (que leva a uma intoxicação alimentar), consumo de sementes, intestino preso, diarreia”, listou a gastroenterologista Cinara. “Só acontece em quem tem doença diverticular, ou seja, pacientes portadores de pequenos saquinhos no intestino. Geralmente, esses divertículos podem entupir, obstruir e inflamar e, uma vez que tem contato com as fezes, ficam infeccionados, o que pode causar desde um caso simples, como uma leve infecção, até uma infecção grave com perfuração, abscesso e formação de pus”, completou Szego.

Como é feito o diagnóstico? 
É feito por meio de história clínica, avaliação realizada pelo médico e exames laboratoriais. “Os exames de sangue podem apresentar sinais de infecção e a tomografia é o melhor exame para confirmar o diagnóstico com  sinais clássicos de inflamação do intestino”, explicou a gastroenterologista Cinara.

Como é o tratamento? 
Pode ser um tratamento simples, com dieta, repouso e medicação sintomática, ou pode haver necessidade de uso de antibióticos, como informou a gastroenterologista Cinara. Em casos de maior gravidade e/ ou complicações, pode ser indicado tratamento cirúrgico de urgência. O tempo de tratamento varia de acordo com a gravidade do quadro.
 
Em casos mais graves, é necessário tratamento cirúrgico com exteriorização do intestino?
Sim, isso é necessário quando ocorre uma complicação do quadro de diverticulite, como perfuração ou abscesso, sendo necessária a exteriorização do intestino para que possa haver a possibilidade de recuperação do quadro infeccioso, como explicou a médica Cinara.

Diverticulite tem cura? 
Sim, a infecção tem cura. “Porém os divertículos continuam presentes apesar do tratamento, a não ser que o paciente seja operado e o seguimento do intestino acometido seja retirado”, disse o gastroenterologista Szego.

Quem tem diverticulite uma vez tem mais chances de ter novamente?
O fato de ter diverticulite uma vez não aumenta a chance de ter outros quadros, disse Szego. “Mas, uma vez que só tem diverticulite quem tem os divertículos, caso não seja retirado o seguimento acometido pela doença diverticular, a chance de ter novos episódios continua presente, mas não há mais chance do que quem nunca teve”, completou o médico.

É verdade que a diverticulite tem frequência maior no mundo ocidental?
“É mais frequente nos países industrializados, pelos hábitos alimentares adquiridos. Por isso, mais incidente no ocidente”, disse a gastroenterologista Cinara. Estudos mostram que a principal causa de divertículos é a falta de fibras na dieta alimentar. Portanto, uma dieta balanceada é uma forma de prevenção.

A probabilidade de ter diverticulite é igual para homens e mulheres?
Sim, o quadro é independente do sexo. “Os maus hábitos alimentares também podem ser praticados por qualquer pessoa, independente do sexo”, acrescentou a médica Cinara.

A doença é mais comum em uma faixa etária específica?
A doença acomete geralmente pessoas acima de 50 anos. “Isso porque, ao longo da vida, todos os tecidos do corpo envelhecem e ficam mais flácidos, assim como a parede do intestino, facilitando o aparecimento dos divertículos”, explicou Szego.

Se não tratar a doença, quais são as possíveis complicações? 
Caso a diverticulite não seja tratada, a inflamação local pode piorar e se tornar uma infecção generalizada, causar perfuração no intestino, levar a uma operação de urgência e até à morte, como informou Szego.

Fonte: Ponto a Ponto Ideias Ponto a Ponto Ideias
Publicidade
Publicidade