0

O que uma latinha de Coca-Cola pode fazer ao seu corpo?

Blog Truth Theory mostra efeitos de 10 minutos até mais de 1h após ingestão do refrigerante

29 jul 2015
12h34
atualizado em 31/7/2015 às 17h25
  • separator
  • comentários

Você já se perguntou o que acontece com o corpo depois do consumo de uma lata de refrigerante? Uma ilustração compilada pelo blog Truth Theory, do ex-farmacêutico Niraj Naik, apresenta os efeitos de uma lata de Coca-Cola ou outra bebida similar açucarada e com cafeína a partir de 10 minutos de sua ingestão até depois de 60 minutos. Os dados foram divulgados pelo jornal Daily Mail, que ouviu a opinião de alguns profissionais sobre o assunto. Confira:

Foto: Divulgação

10 minutos

10 colheres de chá de açúcar atingem seu sistema (100% de sua ingestão diária recomendada). Você não vomita imediatamente devido à doçura esmagadora porque o ácido fosfórico corta o sabor.

20 minutos

O açúcar no sangue tem um pico, causando uma explosão de insulina. Seu fígado responde a isso transformando todo o açúcar que pode obter em gordura.

40 minutos

A absorção de cafeína está completa. As pupilas dilatam, a pressão arterial sobe, como resposta seu fígado despeja mais açúcar em sua corrente sanguínea. Os receptores de adenosina no seu cérebro são bloqueados, impedindo sonolência.

45 minutos

O corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do seu cérebro. Essa é fisicamente a mesma maneira que a heroína funciona.

60 Minutos

O ácido fosfórico prende o cálcio, magnésio e zinco no intestino grosso, provocando mais um aumento no metabolismo. Essa situação é agravada por doses elevadas de açúcar e adoçantes artificiais também aumentando a excreção urinária de cálcio.

Mais de 60 Minutos

Propriedades diuréticas da cafeína entram em jogo (fazem com que a pessoa urine). Agora, é certeza que você vai evacuar a junção de cálcio, magnésio e zinco que deveriam ir para seus ossos, bem como o sódio, eletrólitos e água.

Mais de 60 minutos

Como o delírio dentro de você morre, vai começar a ter um choque de açúcar. Pode tornar-se irritado e/ou lento. Você também terá, literalmente, urinado a água que estava no refrigerante. Mas não antes de levar junto alguns nutrientes que seu corpo poderia ter usado para até mesmo ter a capacidade de hidratar o organismo e fortalecer ossos e dentes.

O que dizem os especialistas

“Coca-Cola não tem apenas muito xarope de milho com alta frutose, mas também é embalado com sais refinados e cafeína. O consumo regular desses ingredientes nas quantidades elevadas que você encontra na Coca-Cola e outros alimentos e bebidas processados pode levar ao aumento da pressão arterial, doença cardíaca, diabetes e obesidade”, comentou o ex-farmacêutico em seu blog.

 “O Serviço Nacional de Saúde acabou de mudar a permissão do total de açúcar adicionado de 10 colheres de chá por dia para 7,5 colheres de chá por dia. Isso faz com que apenas uma lata tenha mais do que o total de açúcar permitido para o dia inteiro”, disse a nutricionista Ella Allred, da NutriCentre.com.

Segundo a nutricionista, essa alta quantidade de açúcar faz com que o pâncreas trabalhe mais para produzir insulina, aumentando as chances de desenvolver diabetes tipo 2 e causando acúmulo de gordura abdominal, elevando o risco de doenças cardíacas. “A enorme quantidade de açúcar com que seu corpo precisa lidar utiliza reservas de nutrientes valiosos como magnésio e cálcio, sendo nossas maiores reservas nos ossos. Também faz com que se torne desidratado, fazendo você se sentir sonolento e cansado, novamente precisando de mais energia. O açúcar e a cafeína estimulam os mesmos centros de prazer no cérebro como drogas, como cocaína e heroína, deixando você desejando mais, o que piora ainda mais o efeito em seu corpo.”

O dentista Sameer Pate, diretor clínico da Elleven Dental Practice, no Reino Unido, disse que as bebidas gaseificadas, como as do tipo cola, estão cheias de açúcar e ácido, que prejudicam os dentes. “Quando o líquido está na boca, pode então levar a erosão ácida e cárie dentária. As bebidas gaseificadas de cor mais escura aumentam a probabilidade de coloração dos dentes também”, comentou.

Quanto mais tempo demorar para terminar de beber a lata, pior é para o dente. “Leva apenas 20 segundos para que as bactérias produzam ácido no interior da boca, mas os efeitos podem durar até 30 minutos. Se você gastar 30 minutos bebendo, esses efeitos de bactérias se multiplicam substancialmente. Se você está bebendo refrigerantes, use um canudo e consuma com a refeição para minimizar o contato do açúcar com os dentes, o que leva a problemas dentários. Masque chiclete sem açúcar quando tiver terminado para ajudar a neutralizar o ácido na boca”, recomendou.

O jornal Daily Mail entrou em contato com a Coca-Cola para comentar o assunto, mas não obteve resposta até o momento da publicação.

Em resposta à matéria publicada nesta quarta-feira (29), a Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas (Abir) informa por sua assessoria de imprensa nesta sexta-feira (31):

-  Não é correto afirmar que o açúcar dos refrigerantes é imediatamente transformado em gordura. Quando ingerido, o açúcar é digerido e metabolizado em moléculas de glicose, que é utilizada como fonte de energia pelo organismo. Caso o açúcar não seja utilizado pelo organismo como fonte de energia, o nutriente pode ser armazenado no fígado e depois transformado em glicogênio (reserva energética). O açúcar, assim como os demais carboidratos (glicose, frutose, amido), gorduras e proteínas que compõem a dieta, podem se acumular no organismo na forma de gordura quando o gasto de energia do indivíduo é menor do que a ingestão de calorias, independentemente da origem. Por esse motivo, é fundamental manter um estilo de vida saudável, o que inclui uma dieta balanceada, hidratação apropriada e pratica regular de atividades físicas. Nesse contexto, todos os produtos podem fazer parte da dieta, inclusive os refrigerantes.

- A cafeína é um dos ingredientes mais estudados no mundo e está presente naturalmente em diversos alimentos e bebidas como chás, café e cacau. A quantidade de cafeína presente nos refrigerantes é baixa: uma lata de 350ml possui cerca de 35mg, enquanto a mesma quantidade de café contém em média 124mg. Entidades científicas confirmam que essas quantidades de cafeína não apresentam riscos.

-  O ácido fosfórico é um acidulante utilizado em determinados refrigerantes por sua acidez, que ajuda no equilíbrio entre o sabor ácido e o doce. Esse ingrediente também reduz o crescimento de micro-organismos, o que melhora a conservação das bebidas. No organismo, o ácido fosfórico é digerido no estômago e absorvido na forma de fosfato. O mesmo ocorre com o fósforo presente em qualquer outro alimento, como carne, queijo e nozes.

-  Uma série de organizações científicas, que conduziu estudos para determinar se o fósforo presente em bebidas com gás poderia impactar a saúde óssea, concluiu que não há evidências de efeitos negativos em pessoas saudáveis, desde que a ingestão de cálcio seja adequada. Segundo o U.S. National Institute of Health (NIH) e o Institute of Medicine of the National Academy of Sciences (IOM/NAS), o fósforo não interfere negativamente na absorção de cálcio. Os fatores de risco listados pela International Osteoporosis Foundationincluem idade, sexo feminino, histórico familiar, menopausa, má nutrição, ingestão insuficiente de cálcio e de vitamina D, falta de atividade física, baixo índice de massa magra (muscular), fumo e consumo excessivo de álcool.

-  O consumo de refrigerante não deve ser apontado isoladamente como causa da obesidade, uma vez que a dieta é formada por diversos alimentos e bebidas. Além disso, outros fatores influenciam o ganho de peso, como o equilíbrio entre o consumo e o gasto das calorias consumidas. A Abir entende que a obesidade é um problema urgente que deve ser enfrentado de forma consistente e ampla, porém apenas o ataque a alimentos e bebidas industrializados não produzirá o resultado mais eficaz.

-  O diabetes tipo 2 é uma doença complexa associada a diversos fatores de risco, incluindo histórico familiar, sobrepeso, obesidade, envelhecimento e estilo de vida sedentário. Portanto, não é correto afirmar que um único produto seja responsável pelo desenvolvimento da doença. Consumir muitas calorias, de qualquer alimento e bebida, sem gastar o suficiente para manter o equilíbrio energético, pode contribuir para a resistência à insulina e aumentar o risco de desenvolver diabetes tipo 2. 

-  Todos os alimentos e bebidas contendo açúcares (carboidratos fermentados) podem contribuir para a cárie dental e para a erosão do esmalte, por causa da acidez. O refrigerante não é exceção, porém, isso só ocorrerá se a saúde bucal não for feita de forma adequada. Portanto, a principal causa de cáries são os maus hábitos de higiene bucal.

- As bebidas com gás não estão entre as possibilidades de causas de doenças renais. Embora não haja comprovação científica a respeito da origem de pedra nos rins, os institutos nacionais de saúde dos EUA apontam diabetes, pressão alta e histórico familiar como prováveis causas de cálculos renais.

-  Assim como qualquer bebida ácida, como suco de laranja e limão, por exemplo, o refrigerante deve ser evitada por quem tem gastrite. No entanto, a bebida não é a causa do problema.

 

 

Fonte: Ponto a Ponto Ideias Ponto a Ponto Ideias

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade