Níveis de vitamina D da mãe podem afetar os dentes do bebê

A deficiência dessa vitamina está diretamente ligada à baixa densidade óssea, defeitos no esmalte dental e cárie

21 out 2016
08h00
  • separator
  • comentários

Pesquisadores da Universidade de Manitoba, nos Estados Unidos, encontraram uma relação entre a quantidade de vitamina D encontrada no organismo da mãe durante a gravidez e a qualidade da saúde bucal do bebê. Ou seja, para a criança ter um sorriso saudável desde cedo é preciso que a gestante tome as precauções devidas nessa fase.

Poucos alimentos apresentam naturalmente vitamina D, por isso, geralmente ocorre uma suplementação acompanhada pelo médico durante o período da gestação
Poucos alimentos apresentam naturalmente vitamina D, por isso, geralmente ocorre uma suplementação acompanhada pelo médico durante o período da gestação
Foto: JPC-PROD / Shutterstock

Para chegar a esse resultado, o estudo começou analisando os níveis de vitamina D de 206 mulheres que estavam no segundo trimestre de gestação. A “novidade” já começou aí, quando foi percebido que apenas 21 delas estavam com esses níveis dentro do que é considerado ideal.

Depois, eles avaliaram a saúde bucal de 135 bebês e constataram que 21,6% deles tinham defeitos no esmalte dental e 33,6% já haviam apresentado cárie. Ao compararem os resultados, perceberam que as crianças com problemas bucais eram as que tinham as mães com os níveis muito baixos de vitamina D.

Importância da Vitamina D
A vitamina D regula os níveis de cálcio e fósforo no sangue e nós já sabemos que, principalmente o cálcio, tem relação direta com a formação e densidade dos ossos e dos dentes.

“A vitamina D é responsável pela absorção do cálcio intestinal. Baixos níveis dela estão associados a uma baixa densidade mineral óssea, além de risco para diabetes e infecções. A suplementação de cálcio e vitamina D fortalece a saúde bucal e suas deficiências estão relacionadas à doença periodontal e gengivites”, diz Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio Libanês.

Ainda segundo o especialista, a principal função da vitamina D durante a gestação é justamente permitir a acumulação de cálcio no interior do esqueleto fetal, em particular durante o terceiro trimestre.

“Níveis adequados de vitamina D são essenciais na gestação. Baixos níveis de vitamina D materna têm sido associados com uma infinidade de resultados neonatais adversos, incluindo baixo peso para a idade gestacional, efeito prejudicial sobre ossos e dentes e o risco de doenças infecciosas”, diz Renato.

Onde encontrar?
Acreditem, a principal fonte de vitamina D não é nenhum alimento, é o sol. É preciso se expor aos raios solares para obter boas doses dessa vitamina.

Para algumas mamães essa missão é encarada com muito prazer, para outras, como um castigo. Se você faz parte do segundo grupo que não curte muito ficar debaixo do astro rei (embora dizem que 15 minutinhos por dia já ajuda muito), é possível encontrar essa vitamina em alguns alimentos também.

Há vitamina D no salmão selvagem, nos cogumelos expostos à luz ultravioleta, no óleo de bacalhau, na sardinha enlatada em óleo, no leite e no iogurte enriquecido e na gema de ovo.

No entanto, Renato adverte as futuras mamães! “Poucos alimentos apresentam naturalmente vitamina D, por isso, geralmente ocorre uma suplementação acompanhada pelo médico durante o período da gestação. Lembrando que níveis muito elevados podem intoxicar”, diz Renato.

Agência Beta

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade