Acupuntura pode combater a boca seca, diz estudo

Pesquisa analisou especificamente pacientes com câncer de cabeça ou pescoço e os resultados mostraram altas taxas de redução do problema

3 ago 2016
08h00

Não é de hoje que sabemos que existe uma forte relação entre a mente e o corpo e que medicinas complementares como a acupuntura podem colaborar no tratamento de algumas doenças. E no caso da odontologia não é diferente. Essa terapia é capaz, por exemplo, de ajudar no combate da boca seca, sintoma que pode causar vários outros problemas bucais.

A acupuntura pode ser utilizada em todas as especialidades odontológicas como terapia complementar
A acupuntura pode ser utilizada em todas as especialidades odontológicas como terapia complementar
Foto: Andrey_Popov / Shutterstock

E quem está garantindo isso são os próprios chineses, inventores dessa técnica milenar. Segundo uma pesquisa feita por eles e publicada na revista Cancer, da American Cancer Society, a acupuntura ajuda a reduzir a boca seca quando administrada junto com a radioterapia em casos de câncer de cabeça e pescoço. Vale falar que a xerostomia (boca seca) é um dos efeitos colaterais desse tipo de tratamento contra o câncer.

Para chegar a esse resultado, foram analisados 86 pacientes que eram tratados no Centro de Câncer da Universidade de Fudan, em Shanghai. Desses, 40 foram encaminhados para a terapia de radiação junto com a acupuntura e 46 para o tratamento padrão. A terapia milenar foi aplicada três vezes por semana durante quase dois meses e foram feitos exames de acompanhamento antes, durante e após esse período.

Nas primeiras três semanas já foi possível observar que o grupo que foi submetido a radioterapia junto com a acupuntura apresentou uma considerável diminuição do sintoma da boca seca. O mais incrível é que, seis meses após esse tratamento, o número de pacientes com o problema e a intensidade do sintoma cairam ainda mais.

Apesar de não saberem direito porque a acupuntura exerce esse efeito, os cientistas acreditam que o tratamento tem um impacto direto no fluxo de sangue local atingindo especificamente a glândula parótida (responsável pela produção de saliva).

Mais forte que a morfina
Para Fátima Teresani Stein, cirurgiã-dentista e professora do curso de Especialização em Acupuntura Sistêmica da Faculdade São Leopoldo Mandic, o estudo não traz nenhuma grande surpresa, pois essa terapia já é reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia desde 2008.

“A acupuntura pode ser utilizada em todas as especialidades odontológicas como terapia complementar. Ela ajuda a controlar o sangramento durante as cirurgias de cistos e terceiros molares, previne hematomas e edemas, melhora a cicatrização, controla a pressão arterial em pacientes nervosos, ajuda no tratamento de aftas, herpes labial, dor e disfunção da ATM, dor de cabeça tensional causada pelo apertamento dental (bruxismo), paralisia facial e outras mais”, diz a especialista.

Para ela, a principal vantagem da acupuntura é sua ação analgésica, que pode aliviar desde dores até a tensão que os tratamentos podem causar no paciente, fazendo-o entrar mais relaxado na consulta. Segundo Fátima, existem estudos que confirmam que a acupuntura faz o sistema nervoso central liberar na corrente sanguínea substâncias 700 vezes mais fortes que morfina.

“A acupuntura também tem um papel preventivo, pois vai trabalhar o equilíbrio e o fortalecimento da energia através de pontos específicos e sob medida para cada indivíduo melhorando os sintomas com resultados efetivos”, diz

Boca seca
Como é a saliva é a principal responsável pela limpeza natural da boca, sua diminuição pode facilitar o aparecimento de bactérias e claro, de diversas doenças bucais como cárie e inflamações gengivais. Isso sem contar que quem tem pouca saliva também tem dificuldade para falar e se alimentar.

“As causas da xerostomia podem ser alterações emocionais, respiração bucal, desidratação, efeitos colaterais de medicamentos, principalmente antidepressivos, algumas doenças (como a Síndrome de Sjögren), radioterapia de cabeça e pescoço, estilo de vida e cirurgias de glândulas salivares”, diz a especialista.

Fonte: Agência Beta Este conteúdo é de propriedade intelectual do Terra e fica proibido o uso sem prévia autorização. Todos os direitos reservados.

compartilhe

publicidade
publicidade